Voltar para home

Notícias

Tudo que é divulgado na mídia sobre o HMCG está nessa área.

Alimentação correta para bebes

07/01/2019

A introdução alimentar dos bebês é um dos assuntos que mais geram dúvidas.

Por Marisa Diniz

O leite materno continua sendo necessário, deve ser o único alimento nos primeiros seis meses de vida do bebê, época em que a criança come a cada 3 ou 4 horas. A alimentação complementar só deve começar a partir do sexto mês. Gradativamente, inicia-se a introdução de frutas, legumes e carnes. Somente nesta fase de desenvolvimento a criança está pronta para receber novos alimentos, e vale também para bebês alimentados com fórmula. Isto porque antes dos seis meses os bebês têm menor produção de enzimas digestivas, imaturidade do sistema renal e mucosa intestinal permeável, o que pode desencadear alergias alimentares.

É necessário que o sistema digestivo do bebê esteja suficientemente maduro para digerir certos alimentos sólidos, pois antes desta fase não conseguirá absorver nutrientes fundamentais para o crescimento saudável.

A alimentação complementar deve começar quando o bebê já conseguir ficar sentado, sustentar bem a cabecinha, o tronco e, principalmente, não ter mais o reflexo de esticar a língua para fora, rejeitando o alimento. E como durante a amamentação existe uma relação de muito afeto entre a criança e a mãe, os primeiros dias da alimentação complementar devem ser, de preferência, no colo da mãe ou do cuidador. O cadeirão representa um ambiente estranho e é importante dar segurança ao bebê nessa mudança alimentar.

Nunca oferecer açúcar antes dos 2 anos e produtos industrializados (bolacha de maizena, biscoito de polvilho, petit suisse...). São produtos que atrapalham muito a aceitação de novos alimentos.

Primeiros passos nessa transição

A introdução alimentar exige calma e paciência, pois é comum o bebe querer mamar em vez de comer a fruta ou a papa salgada. Nos primeiros meses, os alimentos devem ser amassados com um garfo; com nove ou dez meses, poderão ser cortados em pedaços miúdos. Ao completar um ano de idade, já é possível oferecer no formato que a família está acostumada. Ideal também é não misturar tudo, mas oferecer em porções separadas no prato.

O recomendado é que seja um prato bem colorido, observando as cores dos alimentos. Veja as características nutricionais de cada grupo de cores:

Verdes – alimentos ricos em fibras e magnésio, importante para o funcionamento do intestino e calcificação dos ossos. Aqueles de tons mais escuros também são ótimas fontes de ferro e vitamina A e fortalecem a visão. Exemplos: brócolis, couve, alface, espinafre.

Brancos – importantes na formação muscular e óssea, na regulação dos batimentos cardíacos, na formação do sistema nervoso, além de associados à produção de energia. Grandes fontes de cálcio e potássio. Exemplos: leite, queijo, couve-flor, batata, arroz, banana.

Marrons e pretos – relacionados principalmente ao vigor e à memória. Deles vêm as vitaminas do completo B, as proteínas de origem vegetal e as fibras. Exemplos: feijão, lentilha, grãos e leguminosas em geral.

Vermelhos – vitaminas do complexo B, ferro e zinco indispensável para o crescimento do coração do bebê e seu desenvolvimento cognitivo, fortalecem olhos e pele. Exemplos: proteínas de origem animal (carnes), tomate, morango, melancia, goiaba.

Amarelos e laranjas – fontes de aminoácidos e ricos em betacarotenos, esses alimentos são imprescindíveis para a pele, beneficiam a visão e fortalecem o sistema imunológico. Exemplos: cenoura, mandioquinha, mamão, laranja, milho, abóbora.

Importante também a inclusão de ovos, a partir do sexto mês, tanto a clara como a gema. Leite e frutas cítricas (acerola, laranja, limão e manga) excelentes fontes de vitamina C que atuam no sistema imunológico.

Lembrando ainda que a qualidade da alimentação oferecida à criança nos primeiros 2 anos será a programação metabólica para toda sua vida e que a falta ou excesso de alguns nutrientes poderá gerar muitos problemas, inclusive no seu rendimento escolar.

 

Férias e bons hábitos alimentares combinam sim

07/01/2019

Por Luciana Milani Ribeiro, nutricionista do HMCG e especialista em Nutrição Clínica

O fim do ano se aproxima, e para muitas pessoas é chegada a hora de descansar e repor as energias para enfrentar o próximo ano.

No mês de dezembro já começamos a colocar o pé no freio e desacelerar o ritmo. É chegada a hora das tradicionais festas de Natal, dos amigos secretos e confraternizações. E para quem vai viajar nesta época do ano, seja para a praia, o interior ou até mesmo para fora do país, será que é possível manter uma alimentação saudável durante as viagens de férias?

Com certeza sim!

Segue uma lista de dicas que poderão ajudar a curtir os dias de descanso de bem com a balança!

  • Quando estamos de férias, uma de nossas primeiras intenções é sair da rotina, mas quando se trata do cuidado com o corpo (e o peso!) não há fórmula mágica. Os “excessos” alimentares são naturais, mas não podem ser a regra, nem mesmo durante as férias. Se você exagerou em uma refeição, por exemplo, procure compensar na próxima.  Lembre-se que a viagem irá acabar, mas os “quilinhos a mais” permanecerão.

  • É muito importante não descuidar dos exercícios físicos. Se estiver viajando, procure caminhar ou andar de bicicleta, e use mais o transporte público, assim terá menos chance de se apegar ao sedentarismo e ao comodismo dos automóveis.

  • Não belisque o dia todo! Programe-se para uma “extravagância” por dia (por exemplo: sorvete, pizza ou pastelzinho). E ao sair para um passeio, leve sempre um lanchinho na bolsa (ex. frutas secas, castanhas, biscoito integral) para evitar petiscos cheios de açúcar e gordura.

  • Aproveite a culinária local: se estiver na praia, opte por peixes assados ou grelhados acompanhados por legumes ou uma bela salada. Se o seu destino for uma chácara ou fazenda, dê preferências aos bolos simples (sem coberturas ou recheio) e frutas da época que, normalmente, estão mais bonitas e saborosas.

  • Compartilhe os pratos no restaurante: aproveite para conhecer pratos típicos e diferentes, mas cuidado com o tamanho da porção. Sempre que possível divida as porções grandes, assim é possível comer menos e não exagerar.

  • Se estiver em hotéis, tenha cuidado com o excesso de opções nas refeições. Reflita: será que é preciso comer tapioca, ovo mexido, misto quente e bacon no café da manhã? Opte por frutas frescas e cereais integrais (aveia, pães integrais, granola) ao acordar e tenha mais disposição para curtir o resto do dia. Não se obrigue a comer tudo que é oferecido no regime all-inclusive. Faça escolhas inteligentes!

  • Sombra e água fresca! Durante o dia tenha sempre ao seu lado uma garrafa de água ou água de coco para se hidratar. Principalmente em regiões onde o calor predomina, é comum algumas pessoas sofrerem por desidratação. Prefira sucos naturais (de boa procedência) em vez de refrigerantes ou sucos de caixinha.

  • Não abuse no álcool. Moderação é a palavra chave para tudo, e não poderia ser diferente em relação ao álcool nas férias. Evite ingerir bebidas alcoólicas com o estômago vazio e intercale com goles de água, assim é mais fácil evitar a terrível ressaca que poderá azedar a sua viagem.

Aproveite as férias ao máximo, mas não abra mão do cuidado com a saúde. Comer bem e com boas escolhas também são estratégias fundamentais para que os dias de descanso sejam ainda melhores!

Endometriose: o que é e como tratar!

07/01/2019

Presença de tecido endometrial (parte interna do útero) fora do útero, a endometriose pode ser diagnosticada por meio de anamnese detalhada, exame físico e exames subsidiários. Na anamnese é importante detalhar os sintomas atuais e como estes evoluíram. 

Os sinais mais comuns encontrados são: 

  • Dismenorréia (dor para menstruar)
  • Dispareunia (dor durante a relação sexual)
  • Dor pélvica crônica e infertilidade

O exame físico completo é fundamental e os exames de imagem mais importantes para conclusão do diagnóstico de endometriose e também para determinar a exata localização são a ressonância magnética e o ultrassom transvaginal com preparo intestinal. O único exame laboratorial utilizado neste caso para auxiliar é o CA-125, apesar de sua baixa sensibilidade e especificidade.

Existem tratamentos muito eficazes para esta doença, feitos com uso de medicamentos e cirurgias. Nos tratamentos medicamentosos, podemos usar: 

  • Análogos de GnRh: este medicamento provoca uma queda acentuada na produção de estrógenos ovarianos, chegando a níveis semelhantes aos da menopausa.

  • Pílula anticoncepcional: as pílulas combinadas possuem estrógeno e progesterona. Há também as pílulas compostas apenas por progesterona. Os dois tipos têm efeito semelhante sobre a endometriose, e a escolha pelo melhor depende das características individuais de cada paciente.

  • DIU com progesterona: este dispositivo libera progesterona diretamente no útero, agindo bem em alguns tipos de endometriose.

Já o tratamento cirúrgico é indicado para alguns tipos de endometriose, e a via de escolha para tal tratamento é a videolaparoscopia.

As cirurgias podem ser mais simples, como no caso de endometrioses superficiais ou endometriomas de ovário não complicados, ou mais complexas, como nas endometrioses profundas com acometimento intestinal, quando é necessária a retirada de parte do intestino.

Na maioria dos casos, o tratamento cirúrgico exige complementação com medicamentos.

Dr. Raphael Garcia Moreno Leão é coordenador da Ginecologia e Obstetrícia do Hospital e Maternidade Dr. Christóvão da Gama – Grupo Leforte. Possui título de especialista em Ginecologia e Obstetrícia (TEGO) pela FEBRASGO.

Equilibre a sua ceia de Natal - Saiba como preparar receitas saudáveis para a família

07/01/2019

Imagine a situação: a família toda reunida para o Natal ou passagem de ano, celebrando a união e o privilégio de poder compartilhar a ceia cheia de delícias, e no seu prato vai apenas uma colher de arroz branco e uma fina fatia de peru. Claro, não precisa perder a linha e comer como se não houvesse 2019, até porque o excesso pode causar mal estar. Mas também nada de sofrer passando vontade. Divirta-se, desfrute das companhias, fique feliz e coma (com moderação)! Depois, compense nos próximos dias.

Dica: você pode tanto fazer o controle de calorias como trocar a ceia tradicional por algo menos calórico (se os demais membros da família ou do grupo de amigos toparem). Para ajudar, montamos uma tabela com as opções mais presentes nessa época do ano e dicas para deixar a ceia mais leve.

Lembre-se: criatividade é amiga do paladar e da balança!

Tabela de calorias

Salpicão – 80 calorias (1 colher de sopa)

Nozes – 120 calorias (1 colher de sopa)

Peru de natal – 150 calorias (1 fatia de 100 gramas)

Tender – 140 calorias (1 fatia de 100 gramas)

Chester – 110 calorias (1 fatia de 100g sem molho)

Lombinho – 217 calorias (1 fatia assada de 120g sem molho)

Pernil – 250 calorias (1 fatia de 100 gramas)

Farofa de bacon – 160 calorias (1 colher sopa)

Farofa de castanhas – 194 calorias (3 colheres de sopa – 50g)

Bacalhau – 120 calorias (1 colher de sopa)

Arroz à grega – 105 calorias (3 colheres de sopa – 50g)

Lentilhas – 63 calorias (3 colheres de sopa – 50g)

Salada de grão de bico – 82 calorias (3 colheres de sopa – 50g)

Mix de castanhas e frutas secas – 114 calorias (2 colheres de sobremesa – 25g)

Rabanada – 230 calorias (1 unidade)

Bolo de frutas – 88 calorias (1 fatia)

Panetone – 280 calorias (1 fatia)

Chocotone – 330 calorias (1 fatia)

Bolo de nozes – 514 calorias (1 fatia de 100g)

Rocambole de chocolate – 306 calorias (1 fatia de 100g)

Pudim de leite condensado – 174 calorias (1 fatia de 100g)

Pavê de chocolate – 280 calorias (1 fatia de 100g)

Bebidas alcoolicas

Champanhe – 80 calorias (taça de 125 ml)

Vinho tinto/branco doce – 210 calorias (150 ml)

Vinho tinto/branco seco – 130 calorias (150 ml)

Cerveja – 150 calorias (lata de 355 ml)

Chopp – 1340 calorias (tulipa de 300 ml)

Cerveja light ou sem álcool – 80 calorias (300 ml)

Saquê – 130 calorias (100 ml)

Uísque – 120 calorias (50 ml)

Vodka – 120 calorias (50 ml)

Caipirinha com açúcar – 250 calorias (100 ml)

Caipirinha com adoçante – 170 calorias (100 ml)

Batida com leite condensado – 350 calorias (200 ml)

Ceia leve

Observe a tabela e selecione as opções menos calóricas. Por exemplo:

  • Bebidas: a tabela é um ótimo indicativo do que preferir. Mas sempre que possível opte por suco de fruta natural e, na hora do brinde, escolha espumante ou vinho. Uma taça de vinho, aliás, fará um bem danado ao seu coração.

  • Carne: se for escolher um ou dois tipos de proteína, opte por peru e/ou tender. E considere retirar a pele do peru na hora de levar ao forno. A pele deixa a carne mais tenra, no entanto, mais gordurosa também.

  • Castanhas: elas não podem faltar! Um jeito de não comer dezenas de nozes, castanha do Pará, avelãs e amêndoas é cortá-las e adicioná-las no arroz, na farofa, na salada, em volta do salpicão ou da sobremesa. Servir castanhas como um tira-gosto é certeza de consumir, só aí, centenas de calorias.

  • Farofa: quem resiste a umas boas colheradas de uma farofa crocante, amanteigada, com aquele gostinho de bacon? Pois então, esqueça essa farofa. Faça a sua com vegetais ralados (cenoura, abobrinha e couve, por exemplo), azeitonas picadas, um fio de azeite de oliva e, se for do gosto dos convidados, um punhado pequeno de frutas secas. Compense no tempero: alho, cebola e demais condimentos.

  • Frutas secas ou cristalizadas: tradicionais, mas também devem ser consumidas com muita parcimônia. Opte por frutas frescas. Combine as opções da época, montando uma travessa bastante colorida, que deixe os convidados com água na boca.

  • Sobremesa: frutas fresquinhas e maduras são a melhor opção, mas se você quiser incrementar com algo mais elaborado, que tal um creme ou calda para comer com as frutas? Ou então fazer picolés de frutas? Ou ainda rabanadas de forno? 


Era digital e crianças: saúde física e mental

07/01/2019

Por Dra. Sandra Helena Albuquerque Giannini, coordenadora do serviço de Pediatria do HMCG

A tecnologia e a internet modificaram o comportamento humano e hoje vivemos o ápice dessa modernização. Estamos permanentemente ligados, conectados, cercados de informação por todos os lados e o tempo todo, inclusive na infância.

Há tempos a relação entre crianças e tecnologia divide opiniões, mas antes a questão se resumia em deixar ou não que assistissem à tevê.  Contudo, as telas não são mais exclusividade das salas, invadiram outros ambientes da casa e boa parte desses aparelhos pode ser carregada para qualquer lugar.

Com a evolução, os celulares, tablets, games e demais eletrônicos são inseridos no universo infantil cada vez mais cedo. Em muitos casos, esta inserção prematura é feita pelos próprios pais, e não é raro encontrar escolas que, já no ensino infantil, ofertam atividades envolvendo tablets, apps e outros similares para auxiliar no processo de aprendizagem.

Estudos científicos revelam que o mundo digital influencia comportamentos pela adoção de hábitos impróprios desde os primeiros anos da infância e na adolescência, momento onde o uso da tecnologia é ainda maior. Não é raro crianças pequenas que só almoçam ou só dormem depois de assistirem uma historinha no tablet. Estes comportamentos afetam o desenvolvimento afetivo, cognitivo e social da criança.

Crianças do século XXI nasceram em período no qual a tecnologia é o alicerce da manutenção das relações sociais, fazendo parte do dia a dia e da rotina delas. Dentro deste contexto, existem benefícios e prejuízos provenientes dessas tecnologias e o grande desafio é saber a dose certa – a linha tênue entre o remédio e o veneno.

Entre as principais consequências à saúde referentes ao uso demasiado da tecnologia por crianças e adolescentes estão aumento da ansiedade, dificuldade de estabelecer relações em sociedade, estímulo à sexualização precoce, adesão ao cyberbullying, comportamento violento ou agressivo, transtornos de sono e de alimentação, baixo rendimento escolar, obesidade, lesões por esforço repetitivo, exposição precoce a drogas, entre outros. Todos com consequências danosas tanto para a saúde física e mental individual como para a saúde familiar, escolar e da comunidade.

A Sociedade Brasileira de Pediatria lançou um conjunto de orientações em defesa da “Saúde das crianças e adolescentes na Era Digital”. Abaixo, trago algumas das recomendações da SBP:

Para crianças e adolescentes - aproveite para ler com as crianças e mostre para os adolescentes

  • Nas telas do mundo digital tudo é produzido como fantasia e imaginação para distrair ou afastar do mundo real – portanto, não se deixe enganar no mundo virtual.

  • A senha é só sua, não a compartilhe com absolutamente ninguém! Única exceção é para seus pais ou responsáveis, que respondem legalmente por você até completar 18 anos.

  • Preste atenção para não adicionar qualquer pessoa desconhecida e jamais marque encontros com pessoas estranhas ou conhecidas apenas da Internet, e que enviam mensagens solicitando encontros com você.

  • Cuidado ao utilizar a webcam. Evite a exposição se você estiver com pouca roupa ou se estiver em seu quarto ou mesmo em qualquer lugar, sozinho.

  • É preciso ser respeitoso também online, tratando os outros como gostaria de ser tratado. Afinal, você e qualquer pessoa merece respeito. Jamais repasse mensagens que possam humilhar, ofender, zombar ou prejudicar uma pessoa. Lembre-se: respeito!

  • Crescer e construir o seu corpo precisa de horas de sono e alimentação balanceada e saudável. Se você estiver se sentindo cansado, sonolento, com fome ou sem apetite, ou com dor de cabeça, nas costas, nos olhos ou nos ouvidos, desligue o seu celular ou seu computador, converse com seus pais. Se a dor persistir, pode ser hora de consultar o seu médico pediatra ou hebiatra.


Para pais ou responsáveis

  • Verifique a classificação indicativa de games, filmes, vídeos e demais conteúdos. Precisam ser recomendados de acordo com a idade e compreensão de seus filhos.

  • Estabeleça regras e limites bem claros, por dia ou para o fim de semana, sobre o tempo de duração em jogos. Defina também a entrada e permanência em redes sociais ou jogos de videogames online.

  • Discuta francamente com seus filhos sobre mensagens ofensivas, discriminatórias, ameaçadoras, constrangedoras, obscenas, humilhantes, confusas, inapropriadas ou que contenham imagens ou palavras pornográficas ou violentas.

  • Oriente seus filhos para que jamais forneçam senhas a qualquer pessoa, mesmo se for o melhor amigo. Também que não aceitem brindes, prêmios ou presentes oferecidos pela Internet, assim como jamais cedam a qualquer tipo de chantagem, ameaça ou pressão de colegas ou de qualquer pessoa online. Eles precisam estar seguros se, caso passem por situação semelhante, podem confiar e contar com os pais ou responsáveis.

  • Lembre-se que você é adulto, pai ou mãe, e, com a convivência diária, se torna um modelo de referência para crianças e adolescentes. Portanto dê o primeiro exemplo: limite o seu tempo de trabalho no computador quando estiver em casa. Mostre aos filhos a importância do tempo juntos, sem que ninguém esteja conectado.


Para educadores e escolas

  • Informe de modo adequado e detalhado sobre o uso ético, saudável e com segurança das tecnologias e aplicativos durante o tempo de convívio com as crianças e adolescentes nas escolas e cursos.

  • Realize atividades com os alunos e palestras de prevenção e proteção de todos, estabelecendo regras e limites no contato diário entre professores-alunos, alunos-alunos e evitando mensagens e encontros com desconhecidos, com o uso das tecnologias

  • Temas como sexualidade e exploração sexual online, comportamentos de violência, cyberbullying, uso de drogas, brincadeiras e desafios perigosos devem fazer parte do currículo escolar e da programação da escola em atividades ou palestras de promoção de saúde e prevenção de riscos

  • Fique atento aos sinais de riscos pessoais, sociais ou digitais que seu aluno possa apresentar.

  • Estabeleça redes intersetoriais com os pais e com as referências profissionais de especialistas para a proteção de sua escola. Deixe sempre em local visível como denunciar casos de violência, sexting ou cyberbullying ou qualquer outro problema – Disque-denúncia (tel. 100) ou acessando a rede SAFERNET (new.safernet.org.br).


Para pediatras

  • Avalie, aconselhe e oriente sobre o tempo de uso diário das tecnologias (celulares, videogames e computadores) durante a consulta e correlacione com os sintomas apresentados por crianças e adolescentes.

  • Avalie hábitos de sono, alimentação, exercícios, comportamentos e condutas com os colegas na escola, além do rendimento escolar e da dinâmica familiar.

  • Programe com as crianças e adolescentes e suas famílias um plano de “dieta midiática” de acordo com as idades e desenvolvimento cognitivo e maturidade.

  • Inclua nos protocolos de atendimento as rotinas que permitam tanto a prevenção como o diagnóstico e tratamento dos danos à saúde física, decorrentes do uso abusivo das tecnologias digitais, tais como: obesidade, distúrbios do sono, lesões articulares, problemas posturais, alterações da visão, perda auditiva, transtornos comportamentais e mentais dentre outros já demonstrados por diversos estudos da literatura científica.

  • Considere e avalie com mais atenção crianças e adolescentes que apresentem comportamentos agressivos, dissociativos entre o mundo real e o virtual, dependentes da tecnologia-Internet-videogame, que apresentem transtornos de sono, alimentação, higiene, uso de drogas ou queda do rendimento escolar ou apresentem sinais de violência, bullying, cyberbullying, sinais corporais de automutilação ou quando relatam “desafios” online com colegas da escola.


Conteúdo completo do Manual de Orientação da Saúde das crianças e adolescentes na Era Digital:

http://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/2016/11/19166d-MOrient-Saude-Crian-e-Adolesc.pdf

Meu filho não come nada! O que fazer?

07/01/2019

Uma das maiores preocupações dos pais é se o filho come bem.

Sabemos que as preferências alimentares das crianças são estabelecidas nos primeiros anos de vida e quando as crianças recusam alimentos nutritivos como frutas, legumes e verduras, o momento das refeições se torna cada vez mais estressante. Pais e cuidadores se sentem frustrados, exaustos e muitas vezes culpados e incapazes de lidar com a situação.

Temos na nossa cultura a ideia de que comer bem é comer muito, e também a falsa ideia de que a criança comendo muito será mais resistente às doenças. Infelizmente, esta conduta pode induzir ao hábito de consumir porções maiores do que o necessário e à preferência por alimentos mais palatáveis e hipercalóricos. 

Atenção especial a alguns pontos:

É comum que a criança tenha preferência por aquilo que seja mais palatável. Geralmente, são alimentos com alta densidade energética, elevado teor de gordura, excesso de açúcar e de carboidratos refinados, com o agravante de apresentarem valores nutricionais deficientes. O alto consumo destes alimentos confunde o paladar, fazendo com que a criança rejeite alimentos in natura.

É importante respeitar um período mínimo de 2 a 3 horas entre as refeições. Também é um equívoco deixar a criança o dia todo sem comer para que ela sinta fome na hora do jantar, o que, além de não funcionar, pode causar muito estresse e ansiedade.

É importante manter uma rotina alimentar, sentar à mesa para comer em horários regrados, oferecer alimentos em diferentes formas de preparo, cores e texturas em todas as refeições (mesmo que haja rejeição). Evitar distrações como celulares ou TV ligada é medida importante para que a criança entenda que aquele é um momento importante do dia.

O paladar e a saciedade da criança devem ser respeitados. Muitos pais têm expectativas em relação às quantidades, porém o comer pouco é relativo, uma vez que cada criança necessita de um determinado aporte de alimentos para estar saciada. Por isso, nada de fazer comparações com os irmãos ou filhos de amigos, nem forçar a comer ou chantagear (oferecer algo em troca de comida não é ideal, pois a criança passa a entender que os alimentos funcionam como moeda de troca).

Problemas alimentares

  • Anorexia fisiológica (quando a criança não come): ocorre geralmente no fim do segundo ano de vida e pode durar cerca de 4 ou 5 anos, período caracterizado pela desaceleração no crescimento e diminuição do apetite da criança. 

  • Anorexia seletiva ou seletividade alimentar: é a recusa total ou parcial de determinados tipos de alimentos, sendo frutas, verduras e legumes os mais comuns.

  • Neofobia alimentar é o “medo do novo”: é a rejeição em experimentar novos alimentos, comum em crianças menores, cuja variedade na alimentação é menor, resultando em déficit de nutrientes. 

Por experiência (prática clínica), dinâmicas, interações familiares, exposição repetida de alimentos, entre outras ações, auxiliam na orientação das famílias, de forma lúdica e gostosa, a diminuir a seletividade alimentar e neofobia.

Exemplo de dinâmica

- Separe pequenas porções de alimentos que a criança geralmente recusa (beterraba, cenoura, maçã, pera, mamão...)

- A família deve se sentar à mesa com os olhos vendados e uma pessoa colocar para cada membro um prato com um alimento (a criança não pode ver o alimento)

- Todos terão que adivinhar ou descrever o que está provando e se gostou 

- Ao final, desvende todos e mostre a eles o que experimentaram

O ideal é fazer várias rodadas e com diferentes alimentos. Este tipo de dinâmica costuma funcionar bem e a criança descobrirá o sabor de um alimento que nunca havia experimentado. 

No verão, combine suco e salada!

07/01/2019

Por Vanessa Tatiane Freire do Nascimento, nutricionista do Hospital e Maternidade Christóvão da Gama – Grupo Leforte 

Clima muito quente é sinônimo de mais copos de água por dia (habitualmente, transpiramos mais no verão), e alimentação leve, priorizando uma dieta “refrescante”.  Entram nesse cardápio alimentos frescos como verduras e legumes, que além de nutritivos (fontes de vitaminas e minerais), possuem baixo valor calórico. Entre as opções estão couve, brócolis e ervilhas, fontes de luteína e zeaxantina, que atuam como uma proteção extra contra os raios ultravioletas. 

Sobre o que escolher na hora de montar o cardápio, prefira vegetais da época. Dessa forma, estará consumindo produtos mais saborosos, mais fáceis de encontrar e mais baratos.

As frutas, além de refrescantes, funcionam como um excelente fator de proteção. Algumas, como mamão, laranja, goiaba, manga, melancia e morango, são ricas em vitamina C e betacaroteno, com potente efeito antioxidante – ajuda a combater os danos causados pela formação de radicais livres, vindos da exposição solar.

Pensando em uma dieta mais leve, a nutricionista Vanessa Tatiane Freire do Nascimento, do Hospital e Maternidade Christóvão da Gama – Grupo Leforte, selecionou quatro receitas simples, fáceis de fazer e que trarão mais frescor e saúde para o seu verão.

Suco de betacaroteno

suco de 3 laranjas

1/2 beterraba

1/2 cenoura

1/2 manga

gelo

Modo de Preparo

Bata tudo no liquidificador e não coe (assim, você consome mais fibras, essenciais para o bom funcionamento do intestino). Se for adoçar, prefira mel.

Suco refrescante de cenoura

1 cenoura

10 morangos

1 copo (200ml) de água de coco

gelo

Modo de Preparo

Bata todos os ingredientes no liquidificador. Da mesma forma, não coe e dê preferência ao mel se quiser um suco mais doce.

Salada de abobrinha e tomate cereja

2 xícaras (chá) de tomates cereja cortados ao meio

1 xícara (chá) de milho verde (pode ser in natura congelado)

1/4 xícara (chá) de azeite de oliva

1/4 xícara (chá) de manjericão fresco

2 colheres (sopa) de suco de limão

2 colheres (sopa) de mostarda

3  abobrinha médias

Sal a gosto e pimenta do reino a gosto

Modo de preparo

Corte a abobrinha em cubos e reserve. Polvilhe com a colher (chá) de sal, misture e deixe descansar por 30 minutos. Em uma tigela, misture a mostarda com o suco de limão e tempere com sal e pimenta. Junte o azeite aos poucos, batendo sempre com um batedor de mão, até ficar homogêneo. Em uma saladeira, misture a abobrinha com o milho e o tomate e junte o molho. Misture bem, polvilhe o manjericão e sirva.

Salada de beterraba e grão de bico

1/3 xícara (chá) de azeite de oliva

1/4 xícara (chá) de suco de limão

1/3 xícara (chá) de Água

200 gramas de vagem cozida

2  beterraba médias cruas e sem casca

2  mangas  cortadas em cubos

1 xícara (chá) de coco em fatias finas

1 xícara (chá) de grão de bico cozido

1 colher (chá) de sal

Modo de preparo

No liquidificador, bata o azeite de oliva, o suco de limão, a água e o sal até ficar uma mistura homogênea. Reserve. Corte a vagem e a beterraba (em rodelas e depois ao meio). Para servir, misture todos os ingredientes e o molho.

O verão chegou! Fique de olho nos cuidados com a saúde das crianças

07/01/2019

Verão e férias, uma combinação divertida e animada para as crianças. Mas para os papais e mamães, a época é para redobrar os cuidados com a saúde dos pequenos.

Listamos algumas dicas importantes que podem te ajudar.

 - Protetor solar sempre. Pesquise bem o protetor solar ideal para a pele do seu filho. Já existem opções de produtos no mercado voltados ao público infantil. Consulte um dermatologista para saber qual é o melhor produto;

- Evite ingerir alimentos com limão debaixo do sol para não manchar a pele. Após o consumo, lave as mãos e rosto para evitar queimaduras na pele;

- Entre com seu filho na piscina ou no mar. Qualquer descuido pode resultar em acidentes como afogamentos. Mesmo que a criança saiba nadar, é importante a supervisão de um adulto. Aposte em boias para ajudar na segurança;

- Proteja os olhos e couro cabeludo das crianças. Óculos de sol e chapéus são bem-vindos para a proteção;

- Evite exposição ao sol das 13h às 16h, horário em que os raios solares estão mais potentes. O protetor solar deve ser reaplicado de duas em duas horas para prolongar o efeito;

- Fique atento com a temperatura da areia na praia. Use chinelos para se proteger das queimaduras

- O mesmo vale para prevenir micoses e outras lesões. Verifique se o seu filho tem algum machucado para não entrar em contato com a areia e agravar as lesões;

- Vista seu filho com roupas confortáveis. Prefira roupas de algodão para deixar a criança mais confortável. Use filtro solar e um chapéu para proteção do couro cabeludo, que é mais sensível;

- Invista na hidratação. Dê bastante água para as crianças nesta época e substitua refrigerantes por sucos naturais

Oncologia Clínica

07/01/2019

Por Bruno Conte, oncologista clínico do Hospital e Maternidade Dr. Christóvão da Gama – Grupo Leforte

É a especialidade médica responsável pela prevenção, diagnóstico e tratamento de qualquer tipo de câncer. Na prática clínica, o oncologista clínico lida com todos os tipos de tumor, e o tripé do arsenal terapêutico moderno situa-se em cirurgia, radioterapia e tratamento sistêmico, também chamado medicamentoso. As linhas de tratamento disponível hoje para enfrentar tumores malignos são extremamente diversificadas, e os principais exemplos são quimioterapia, terapia alvo, hormonioterapia e a imunoterapia.

O câncer é um conjunto de doenças com manifestações clínicas, cujo tratamento e prognóstico são diferentes uns dos outros. Os principais tipos de câncer no Brasil são de mama, próstata, pulmão e os do trato gastrointestinal, como o colorretal. A preocupação com o diagnóstico precoce, assim como o início da terapêutica de forma ágil, são chaves para o sucesso no tratamento.

Há um enorme esforço, por parte da Oncologia Clínica, no fortalecimento da prevenção primária do câncer, ou seja, na adoção de um estilo de vida saudável, baseado em dieta rica em frutas, vegetais e grãos integrais, e pobre em gordura saturada. Somam-se a isso atividade física, cessar o tabagismo, limitar o consumo de álcool, dentre outras.

 

Tratamento Sistêmico

Hoje, essa modalidade terapêutica engloba diversas classes de medicamentos capazes de combater o câncer em suas mais diferentes formas de apresentação clínica.

Quimioterapia: consiste em fármacos que promovem dano ao material genético da célula tumoral, ou seja, agride moléculas ou pedaços do DNA (Acido Desoxirribonucleico). Este grupo de compostos é o mais antigo na história da Medicina, amplamente utilizado no tratamento dos mais variados tipos de câncer e forte integrante do arsenal para tratar neoplasias de mama, pulmão e colorretal, por exemplo. Atualmente, existem medicamentos eficazes e estratégias alimentares que auxiliam no combate aos efeitos colaterais, como náuseas e vômitos.

Terapia alvo: medicamentos mais modernos que visam alvos específicos nas células dos tumores malignos. Importantes avanços do tratamento oncológico ocorreram após a descoberta desta classe de medicamentos. O exemplo inicial é o Imatinibe, utilizado para tratamento de Leucemia Mielóide Crônica. Após este avanço, diversas outras classes farmacológicas surgiram e passaram a fazer parte da rotina clínica. Este grupo atua como uma espécie de freio, impedindo o crescimento celular. Em alguns casos, especialmente nos portadores de mutações genéticas especificas, os pacientes possuem maiores chances de resposta com o uso destas substancias.

Hormonioterapia: alguns tumores, em especial os de mama e próstata, são altamente sensíveis a essa terapia. Isto ocorre porque, nestes tipos de câncer, as células possuem receptores para os hormônios sexuais tanto do homem como da mulher, e que atuam no desenvolvimento da doença. Portanto, são potenciais agentes terapêuticos. Talvez, o exemplo mais ilustrativo seja o Tamoxifeno, droga que passou a ser responsável, após sua aprovação, por cerca de 40% de redução na mortalidade por câncer de mama.

Imunoterapia: o mais recente avanço no tratamento oncológico e também considerado o mais promissor. Este grupo de medicamentos estimula o sistema imunológico do indivíduo a reconhecer o câncer como inimigo e assim conseguir eliminá-lo. Esta modalidade funciona somente em casos específicos e bem selecionados pelo especialista. A célula do câncer somente se torna um risco para o corpo a partir do momento em que a doença ganha do nosso sistema imunológico. Na verdade, a imunoterapia faz parte do tratamento sistêmico oncológico há décadas, no entanto somente com os recentes avanços nesta área que novas drogas se incorporaram à prática clínica.

Fato é que os desafios no tratamento do câncer são imensos e de proporções nunca antes exploradas, visto a magnitude dos avanços em termos de sobrevida em doenças antes consideradas incuráveis, como o melanoma metastático (um tipo de câncer de pele). Hoje, estas doenças são passíveis de reversão e em alguns casos, por muitos anos. Os principais exemplos de tumores malignos que contemplam deste benefício são o melanoma, câncer de pulmão e câncer de rim. Temos a aprovação da Anvisa no Brasil para uso clínico em mais de cinco tipos de câncer. E surgem novidades a cada momento.

Oncologia Clínica

Prevenção

Tanto do câncer como de qualquer doença crônica (principais causas de incapacidade física em nossa sociedade, como aterosclerose, obesidade, diabetes, doenças autoimunes e infarto do coração – número 1 de mortalidade no Brasil), a prevenção não comunicável somente se constrói quando há intensa mudança no estilo de vida.

Os fatores ambientais são responsáveis por 98% dos tipos de câncer, sendo o fator hereditário o causador exclusivo da doença em torno de 2% dos casos. Tabagismo, poluição, vírus (HPV), radiação ultravioleta (UV), padrão alimentar com alto consumo de proteína animal e baixo em frutas e vegetais e alimentos integrais são exemplos de fatores que agridem a célula e seu DNA, e em conjunto tornam-se os responsáveis pela imensa maioria dos casos.

A atividade física, como caminhadas de intensidade leve a moderada, deve ser diária, assim como medidas de controle de estresse e de equilíbrio do sono. Existem evidências robustas e modernas que indicam a capacidade física como um importante fator protetor contra o câncer. Isto significa que a prática regular de exercício é uma atitude com amplo respaldo científico para a atuação médica na prevenção da doença.

Para a realização de qualquer atividade física recomenda-se a supervisão de um profissional habilitado, com competência para adequar a atividade à capacidade física do indivíduo, além, é claro, de estruturar um plano nutricional adequado que se ajuste às necessidades calóricas e de nutrientes. Desta forma, a atividade física será adequada ao biotipo e possíveis problemas, como lesões musculares e sobrecarga cardiorrespiratória, por exemplo.

Prepare sua marmita!

07/01/2019

Levar marmita para o trabalho, academia ou faculdade é comum, tanto para aqueles dias mais atarefados como para quem precisa seguir uma dieta ou quer economizar. O importante é ficar atento ao que se escolhe e, claro, fazer a refeição com calma, mastigando bem os alimentos.

Veja as dicas:

  • armazene sua refeição em um lugar adequada, como uma bolsa térmica, que ajuda a manter a temperatura do alimento em seu percurso

  • o alimento que vai para a marmita deve permanecer longe de refrigeração por até 2 horas. Mais do que isso, a refeição pode estragar

  • gelinhos de gel ou bolsa térmica ajudam a manter a temperatura dos alimentos e evitar que pratos com ovo e queijo, por exemplo, estraguem com facilidade

  • alimentos crus, como verduras e legumes, podem ser consumidos fora deste tempo

  • evite temperar saladas com molho industrializado, pois possuem muita gordura e sódio, além de deteriorarem o alimento. Leve temperos naturais a parte, para que a salada não murche

  • coloque os grupos de alimentos separadamente. Se possível, a proteína e o carboidrato não vão no mesmo recipiente que os demais alimentos do prato

  • e claro, vai para a marmita somente a quantidade que você costuma comer. Nada de desperdícios!

Você sabe por que a água viva queima a pele?

07/01/2019

Na verdade, chamamos de queimadura pela sensação de ardência quando uma água viva encosta na pele. Esta fica inchada, avermelhada, inflamada e, em muitos casos, com bolhas.

As águas vivas, também conhecidas como medusas, são animais marinhos com mais de 650 milhões de anos na natureza, e que tanto despertam fascínio como pavor. E as razões são simples: suas formas e movimentos são tão peculiares quanto perigosa é sua toxina. 

No Brasil, muitas das espécies de medusa sequer são venenosas e não temos no país registros de casos de queimaduras gravíssimas, mas em outras partes do mundo o veneno desse animal pode ser tão forte que chega matar uma pessoa.

No verão brasileiro, não é incomum surgirem casos de queimaduras por água viva nos hospitais, e o grau da inflamação varia de acordo com o local atingido (mão, braço, perna...), o tipo de água viva e a intensidade do contato. O mais grave é quando o animal gruda na pele, porque as microagulhas dos tentáculos ficam liberando a toxina no organismo. A dor causada pelo veneno é muito intensa, parecida com fortes “ferroadas”. Dependendo da quantidade de toxina liberada, é possível ainda sentir tontura, náusea e até febre.

O que fazer se houver o contato com a água viva?

Contato: não esfregue ou jogue qualquer tipo de solução sobre a queimadura. É possível que alguém oriente passar óleo, manteiga ou mesmo alguma pomada. No entanto, soluções caseiras podem piorar (e muito) o machucado. O correto, até chegar ao pronto-socorro, é deixar sobre a queimadura uma gaze embebida em vinagre. E não pressione a gaze.

Se grudar na pele: jamais tente puxar com as mãos ou qualquer objeto. Isso só vai estimular que a água viva continue expelindo a toxina. A única medida que realmente funciona é manter a calma e jogar água do mar sobre o animal. Quanto mais água do mar sobre a medusa, mais rápido ela solta. E nunca jogue a água da sua garrafinha sobre o animal – só vai fazer que libere mais veneno.

Temperatura alta pede comida saudável!

07/01/2019

No verão, é relativamente comum pessoas dizerem “esse calor me tira a fome”. Daí, entram no cardápio sucos, lanches rápidos e até uma bolachinha. No entanto, alimentação saudável e equilibrada deve ser constante, do contrário, o seu bem-estar pode pagar um preço alto. 

Além de muito líquido, verão também pede cuidados com a alimentação. Veja as dicas abaixo:

  • Procure fazer de 5 a 6 refeições ao dia, com intervalos a cada 3 horas. Esse fracionamento ajuda a diminuir o apetite entre as refeições, e ainda mantém o equilíbrio corporal e os níveis de energia constantes.

  • Consuma diariamente porções de legumes, verduras, frutas, leite ou derivados sem gordura e algum tipo de carne (carne vermelha, frango ou peixe). Dessa forma, você assegura a obtenção de todos os nutrientes de que o corpo precisa. Uma alimentação variada afasta os riscos de deficiência nutricional.

  • Beba bastante água durante o dia. A água tem a função de regular a temperatura corpórea por meio da eliminação de suor, dos resíduos metabólicos, pela urina, possibilita uma melhor distribuição de nutrientes pelo corpo, entre outros benefícios para saúde.

  • Evite: alimentos ricos em gordura e/ou fritos e o excesso de açúcar (balas, refrigerantes etc.). Estes alimentos podem causar o aumento da pressão arterial, acúmulo de gordura abdominal, obesidade e doenças como câncer.

  • Diminua a quantidade de sal durante o preparo das refeições e não leve o sal para a mesa. Evite alimentos industrializados, congelados e enlatados, pois costumam conter muito sódio. O excesso de sal pode provocar hipertensão, cardiopatias, problema nos rins e trombose. Substitua o sal por ervas frescas, vinagre e azeite extravirgem.

Repórter Diário entrevista coordenador do PS do HMCG

07/01/2019
O médico Luis Paulo de Oliveira Pereira, coordenador do Pronto-Socorro do HMCG, foi entrevistado pela equipe do site Repórter Diário sobre os cuidados com o calor excessivo. Acesse aqui e leia matéria.

Água: qual a quantidade necessária todos os dias?

07/01/2019

A água é um nutriente essencial à vida. Sempre ouvimos que é necessário tomar pelo menos 2 litros de água por dia para que o organismo funcione adequadamente, pois todos os sistemas e órgãos do nosso corpo precisam dela.

A água possui desempenho fundamental na manutenção do volume plasmático, no controle da temperatura corporal, age no transporte de nutrientes e na eliminação de substâncias não utilizadas pelo organismo, e participa ativamente dos processos digestório, respiratório, cardiovascular e renal.

Mas qual é a quantidade adequada de água? Como saber quanto devemos ingerir por dia?

Um cálculo foi desenvolvido para estimar esse volume para cada pessoa. Consideram-se que são necessários 35 ml de água para cada kg de peso corporal, assim, é necessário multiplicar o peso em kg por 35 para obter o resultado em ml. Por exemplo: 70 kg X 35 = 2.450 ml, ou seja, 2 litros e 450 ml.

 

Não espere ter sede.

Um item a ser levado em consideração é que a sensação de sede já representa um início de desidratação. Por isso, o consumo de líquidos, seja no inverno ou no verão, não deve partir da sede.

Algumas pessoas apresentam dificuldade de consumir água, nestes casos temos a opção de oferecer água aromatizada de forma natural, que também contribui para nossa saúde e imunidade. Para isso, é só adicionar à água pedaços limão, laranja, morango, pepino, cenoura ou especiarias e ervas aromáticas (canela, hortelã, gengibre, salsinha…).

Ao contrário do que muita gente pensa, também o excesso no consumo de água pode trazer consequências desagradáveis ao organismo. O principal problema é a chamada hiponatremia, que é o desequilíbrio na concentração de eletrólitos no sangue, principalmente o sódio. Nesse caso, acontece uma diluição dos sais existentes no sistema circulatório, e a diluição exagerada desses eletrólitos pode fazer com que sua função seja reduzida. As consequências são dores de cabeça, mal-estar e até mesmo parada cardíaca, em razão da disfunção elétrica que compromete a contração do músculo cardíaco.

A necessidade de ingestão de água pode ser maior em ambientes com temperatura mais quente ou quando a umidade relativa do ar está baixa, o que pode ocorrer em locais muito frios ou mesmo no inverno. Outro fator que determina o aumento da necessidade é a atividade física, pois eleva a produção de calor corporal e provoca a perda de água pelo suor, para regular a temperatura corporal.

Durante o processo de envelhecimento, o corpo humano passa por várias mudanças fisiológicas, entre elas a diminuição de água no organismo. Por isso, idosos são mais suscetíveis à desidratação.

 

Importante reforçar:

Não espere sentir sede para hidratar-se. 

A sede já é o sintoma inicial da desidratação.

Comece o dia ingerindo um copo de água.

Procure facilitar a ingestão de água. Uma garrafinha por perto pode ser uma boa alternativa.

Água: qual a quantidade necessária todos os dias?

17/12/2018

A água é um nutriente essencial à vida. Sempre ouvimos que é necessário tomar pelo menos 2 litros de água por dia para que o organismo funcione adequadamente, pois todos os sistemas e órgãos do nosso corpo precisam dela.


A água possui desempenho fundamental na manutenção do volume plasmático, no controle da temperatura corporal, age no transporte de nutrientes e na eliminação de substâncias não utilizadas pelo organismo, e participa ativamente dos processos digestório, respiratório, cardiovascular e renal.

Mas qual é a quantidade adequada de água? Como saber quanto devemos ingerir por dia?

Um cálculo foi desenvolvido para estimar esse volume para cada pessoa. Consideram-se que são necessários 35 ml de água para cada kg de peso corporal, assim, é necessário multiplicar o peso em kg por 35 para obter o resultado em ml. Por exemplo: 70 kg X 35 = 2.450 ml, ou seja, 2 litros e 450 ml.

 

Não espere ter sede.

Um item a ser levado em consideração é que a sensação de sede já representa um início de desidratação. Por isso, o consumo de líquidos, seja no inverno ou no verão, não deve partir da sede.

Algumas pessoas apresentam dificuldade de consumir água, nestes casos temos a opção de oferecer água aromatizada de forma natural, que também contribui para nossa saúde e imunidade. Para isso, é só adicionar à água pedaços limão, laranja, morango, pepino, cenoura ou especiarias e ervas aromáticas (canela, hortelã, gengibre, salsinha…).

Ao contrário do que muita gente pensa, também o excesso no consumo de água pode trazer consequências desagradáveis ao organismo. O principal problema é a chamada hiponatremia, que é o desequilíbrio na concentração de eletrólitos no sangue, principalmente o sódio. Nesse caso, acontece uma diluição dos sais existentes no sistema circulatório, e a diluição exagerada desses eletrólitos pode fazer com que sua função seja reduzida. As consequências são dores de cabeça, mal-estar e até mesmo parada cardíaca, em razão da disfunção elétrica que compromete a contração do músculo cardíaco.

A necessidade de ingestão de água pode ser maior em ambientes com temperatura mais quente ou quando a umidade relativa do ar está baixa, o que pode ocorrer em locais muito frios ou mesmo no inverno. Outro fator que determina o aumento da necessidade é a atividade física, pois eleva a produção de calor corporal e provoca a perda de água pelo suor, para regular a temperatura corporal.

Durante o processo de envelhecimento, o corpo humano passa por várias mudanças fisiológicas, entre elas a diminuição de água no organismo. Por isso, idosos são mais suscetíveis à desidratação.

 

Importante reforçar:

Não espere sentir sede para hidratar-se. 

A sede já é o sintoma inicial da desidratação.

Comece o dia ingerindo um copo de água.

Procure facilitar a ingestão de água. Uma garrafinha por perto pode ser uma boa alternativa.

Manter o peso até as festas de fim de ano.

17/12/2018

Nossa equipe de Nutrição elaborou um cardápio básico e bastante nutritivo para os dias que antecedem as festas de fim de ano. Basta variar alguns alimentos para a dieta não enjoar das combinações.

Café da manhã

Leite desnatado ou suco de laranja batido com ameixa e chia, pão integral, requeijão light, mamão papaia, chá de camomila. 

Pode substituir:

  •   o pão por torrada
  •   o requeijão por queijo fresco
  •   o chá de camomila por qualquer outro que agrade
  •  mamão é importante, pois ajuda na função intestinal, mas para não enjoar, substitua por uvas, ameixa ou pêssego


Lanche da manhã

Um punhado de passas ou de castanha-do-pará ou uma fruta pequena ou um suco de uva integral. 

Almoço

Uma colher cheia de arroz integral com cenoura ralada e gergelim moído, uma concha rasa de feijão simples, um filé de frango assado, salada de folhas (alface, rúcula, agrião), azeite extravirgem. 

Pode substituir:

  •  o arroz integral por massa integral com molho de tomate (evite molhos brancos) ou uma batata média assada
  •   o feijão por lentilha ou ervilha ou grão de bico ou soja
  •   o frango por posta de peixe, duas sardinhas assadas ou cozidas, filé pequeno de carne vermelha sem gordura ou um omelete com duas claras e uma gema
  •   a sala de folhas é importante manter, mas é super válido acrescentar tomate, palmito, azeitonas, pepino e abobrinha


Importante: espere de 10 a 15 minutos para beber algum suco (de preferência integral e sem açúcar) e apreciar a sobremesa (uma fatia de abacaxi ou manga picada ou 4 morangos). 

Lanche

Iogurte desnatado com semente de linhaça (de preferência moída) ou um suco de fruta natural com uma fatia fina de queijo branco ou duas torradas com patê ou geleia 

  •   o patê pode ser de berinjela e abobrinha, por exemplo. E a geleia de fruta somente sem açúcar.



Jantar

  • uma porção pequena de massa integral com molho de tomate caseiro

Uma porção pequena de massa integral com molho de tomate caseiro. Incremente com cubos de queijo minas e ervas frescas (manjericão é sempre um ótimo ingrediente). Complemente com azeite extravirgem. 

Pode substituir:

  • a massa integral por uma omelete com duas claras com chia e linhaça ou salada com folhas e legumes (abobrinha, berinjela, cenoura, palmito, tomate...)


Evite líquido nos próximos 30 minutos. E se quiser uma sobremesa, nada de flans, bombons, doces com creme de leite ou leite condensado. Opte sempre por uma fruta.

Intoxicação alimentar

10/12/2018

A intoxicação alimentar acontece quando ingerimos alimentos ou bebidas contaminadas por bactérias, parasitas e vírus. Esses organismos podem ser encontrados na carne crua, frango, peixe ou ovos, que não são devidamente preparados e armazenados.

Os sintomas da intoxicação alimentar são:

- Enjoos ou vômitos;

- Dor de cabeça;


- Fraqueza;


- Desidratação;


- Cansaço extremo;


- Diarreia.

Quando devo procurar um médico?


Se os sintomas não melhorarem após o terceiro dia, procure orientação médica. Fique atento quando:


- O vômito ou a diarreia estiverem avermelhados;


- Febre acima dos 38ºC


- Sinais de grande desidratação como boca muito seca, sede excessiva ou fraqueza


- Grávidas, idosos e crianças devem procurar um médico assim que os primeiros sintomas da intoxicação surgirem


Como evitar a intoxicação alimentar?


- Lave bem as mãos antes de qualquer refeição ou antes de cozinhar;


- Evite reaquecer sobras de comida. Todas as vezes que você aquece ou refrigera a comida que você já comeu, o risco de contaminação por bactérias aumenta. Cozinhe a quantidade certa de comida para consumir ou congelar apenas uma vez;

- Lave seus panos de prato com frequência. Ele pode ser porta de entrada para bactérias diversas se instalarem nos copos, pratos, talheres e outros utensílios.



Qual é o melhor protetor solar para a minha pele?

10/12/2018

Você sabia que o filtro solar é essencial para evitar o câncer de pele? Mas muita gente ainda não sabe qual é o tipo certo de produto para cada pele.

Em primeiro lugar, é importante destacar que o fator de proteção solar varia de acordo com a tonalidade da pele. Portanto, se a sua pele for muito clara, é indicado um filtro solar com um FPS maior, enquanto para as peles escuras, o FPS é menor.

Se a exposição ao sol for intencional em praias ou piscinas, o fator de proteção solar (FPS) deve começar no número 30. Entretanto, se a sua escolha for por um protetor solar de uso diário, é preciso considerar o tipo de pele: seca, mista ou oleosa.

 

Como usar o filtro solar?

A primeira aplicação de filtro solar deve ser feita em casa, antes da exposição ao sol e com a pele limpa. Fique atento para áreas como o dorso dos pés, mãos, nuca e orelhas. Espere a pele secar para vestir a roupa.

A reaplicação deve ser feita de três em três horas ou de duas em duas horas caso a transpiração seja excessiva. É recomendado reaplicar o filtro solar após cada banho de mar ou piscina.

No caso de histórico de doenças de pele, procure um dermatologista antes de usar qualquer produto.

O Hospital Leforte possui uma equipe especializada em dermatologia, altamente preparada para analisar cada caso e iniciar o tratamento adequado.

Cuide bem da sua saúde no verão!

10/12/2018

O verão está chegando! Por isso, é bom ficar atento a algumas medidas importantes para evitar problemas respiratórios, alergias diversas e, claro, proteger-se contra os riscos do câncer de pele. Saiba como se prevenir.

- Evite sair em horários em que o sol estiver a pino (das 10h às 16h). Prefira o sol de manhãzinha ou ao entardecer.

- Não saia de casa sem passar filtro solar e retoque a cada três ou quatro horas.

- Beba bastante líquido. Substitua refrigerantes por água ou sucos naturais e evite bebidas com muito açúcar ou cafeína.

- Abuse dos óculos escuros, mas escolha uma boa marca que ofereça proteção ultravioleta nas lentes, evitando danos na retina.- Coma frutas, verduras e legumes. Esses alimentos são ricos em água e ajudam na hidratação. Alface, chuchu, rabanete, tomate, couve-flor, banana, melancia, melão e abacaxi são ótimas opções para incluir no cardápio.

- No verão, a quantidade de mosquitos aumenta, principalmente na fase de chuvas intensas em que epidemias de dengue podem surgir. Por isso, o uso do repelente é essencial. Outra dica é plantar citronela no jardim ou em vasos, assim as noites de verão se tornam mais agradáveis e tranquilas.

- Evite ficar em lugares fechados. Abra as janelas da sua casa ou do ambiente de trabalho para renovar o ar e evitar o acúmulo de bactérias. A sua saúde agradece!

Nosso pronto-socorro

O Pronto Atendimento do HMCG está à disposição 24 horas por dia para atender as urgências nas especialidades de clínica geral, clínica cirúrgica, pediatria, ortopedia, cardiologia, obstetrícia e ginecologia.

A equipe de plantão permanente, constituída por clínicos gerais, pediatras, ortopedistas e cirurgiões, conta também com especialistas em todas as áreas que são acionados sempre que for necessário.

O que acontece com o corpo durante o tratamento contra o câncer?

29/10/2018

Durante o tratamento contra um câncer, o paciente costuma perder o apetite. O que fazer para amenizar a situação?


O que acontece com o corpo durante o tratamento contra o câncer?

Durante o tratamento contra um câncer, o paciente costuma perder o apetite. O que fazer para amenizar a situação?

Comer alimentos que agradam mais o paladar.

Fazer pequenas refeições ao longo do dia.

Consumir alimentos mais calóricos.

Comer sempre que tiver fome, mesmo sendo fora do horário habitual.

Usar talheres plásticos caso sinta gosto de metal nos alimentos.

Hidratar-se em pequenas quantidades e várias vezes ao dia.

 

Um dos sintomas mais comuns quando se trata um câncer é boca seca (xerostomia). Como ameniza a baixa (ou nenhuma) produção de saliva?

Ter sempre uma garrafa de água em mãos.

Preferir alimentos macios, como purês e sopas ou com molhos.

Beber líquidos com as refeições para facilitar a mastigação.

Colocar uma rodela de limão na boca antes das refeições pode estimular a salivação.

Consumir picolé e chiclete (sem açúcar) também pode aliviar o sintoma.

 

Manter o organismo fortalecido é um dos cuidados mais importantes durante o tratamento de um câncer. A alimentação adequada é coadjuvante da terapia adotada pelo médico.

Por isso, é essencial seguir uma dieta saudável. Alimentos nutritivos ajudam a evitar a perda de peso e garante todos os nutrientes necessários para aumentar a resposta do organismo ao tratamento, além de manter o sistema imunológico forte contra infecções. Pacientes desnutridos têm menor tolerância ao tratamento e estado clínico mais delicado.




Saiba como a atividade física pode ajudar no tratamento oncológico

29/10/2018

Acreditava-se que pacientes em tratamento oncológico deveriam manter-se em repouso e reduzir suas atividades físicas. 


Saiba como a atividade física pode ajudar no tratamento oncológico.

Acreditava-se que pacientes em tratamento oncológico deveriam manter-se em repouso e reduzir suas atividades físicas. Hoje em dia, só precisam seguir essas orientações se o movimento provocar dor, aumento da frequência cardíaca ou falta de ar. Recentes pesquisas demonstram que a prática de exercícios não só é segura e possível durante o tratamento, como também pode melhorar a disposição, o corpo e a qualidade de vida.

Porém é necessário verificar com o seu médico a possibilidade de iniciar um programa de exercícios. Isto é especialmente importante se seu tratamento estiver afetando seus pulmões, seu coração ou se você tiver risco de doença cardíaca ou pulmonar.

Seus exercícios deverão contemplar a situação atual, problemas físicos ou limites que você tenha. Você e seu médico deverão adaptar um programa de atividades para satisfazer seus interesses e necessidades, pois o que pode ser de baixa ou moderada intensidade para uma pessoa saudável, pode parecer uma atividade de alta intensidade para alguns pacientes em tratamento.

Algumas pessoas podem começar o seu próprio programa de exercício, no entanto, melhores resultados podem ser alcançados com a ajuda de um especialista, como um profissional de Educação Física ou um fisioterapeuta. Estes profissionais especialmente treinados podem ajudá-lo a encontrar o tipo, a frequência, duração e intensidade do exercício que será mais indicado para você.

Não existe uma rotina definida de exercícios para pacientes com câncer. Essa rotina depende de cada paciente e é importante que ajude a manter a resistência, força muscular e flexibilidade, mantendo o paciente capaz de realizar atividades diversas. Mesmo que seja necessário parar com os exercícios físicos, é importante manter-se ativo. O segredo é que seu programa de exercícios seja simples e divertido. Técnicas de relaxamento são ótimas formas de aliviar o estresse e permitem que você se sinta melhor.

Quais os benefícios da atividade física?

– Evita a fadiga;

– Evita a atrofia muscular;

– Melhora o fluxo sanguíneo;

– Mantém ou melhora a sua capacidade física;

– Diminui o risco de doenças cardíacas;

– Diminui o risco de osteoporose;

– Diminui as náuseas;

– Aumenta a autoestima;

– Diminui o risco de desenvolver depressão;

– Melhora o equilíbrio, diminuindo o risco de quedas e fraturas;

– Melhora a qualidade de vida.

 

Quando não devo me exercitar?

Só inicie a prática de exercícios físicos após a liberação de seu médico oncologista e certifique-se que o profissional que elaborará sua rotina de exercícios conhece seu diagnóstico e suas limitações. Confira abaixo algumas orientações importantes:

– Não faça exercícios se estiver com anemia, ou seja, baixa de glóbulos vermelhos no sangue. Neste caso, é necessário realizar exames de sangue durante o tratamento e sempre perguntar ao médico sobre o melhor momento de iniciar a atividade física;

– Se existe baixa contagem de células brancas no sangue ou se é feito uso de medicamentos que podem reduzir a capacidade de combater infecções, evite ginásios e outros locais públicos até que esteja com os níveis seguros;

– Não se exercitar – se ao nível de sais minerais no sangue, tais como sódio e potássio, não estiver normal. Isso pode acontecer na ocorrência de vômitos e diarreias;

– Evite exercícios que provoquem muita tensão nos ossos se você tem osteoporose, metástase óssea, artrite e lesões nos nervos;

– Se você tem problemas de equilíbrio, escolha bicicleta ergométrica em vez de esteira.




Liberte sua vaidade. Dicas e tutoriais para deixar a beleza falar mais alto.

29/10/2018

A história de como enfrentei o câncer

15/10/2018
Deitada na cama, senti um nódulo na mama. Na hora pensei que poderia ser algo, então me apressei para realizar alguns exames, que confirmaram o diagnóstico de câncer de mama.

7 perguntas e respostas sobre câncer

15/10/2018
O corpo humano é formado por células que crescem e se multiplicam de maneira organizada, regular e mantendo suas funções. Uma vez doentes, as células podem crescer de forma desordenada, irregular e com alteração de suas funções, o que é chamado de processo neoplásico. A neoplasia pode crescer em tamanho, daí o nome tumor. Se essa neoplasia ou tumor for prejudicial ou maligno, recebe o nome genérico de câncer, podendo ocorrer em qualquer parte do nosso corpo.

Grupo Leforte no Todos Juntos Contra o Câncer 2018

21/09/2018
O projeto Viver Está na Moda, do Grupo Leforte (Leforte Oncologia e Leforte Ensino e Cultura), ao qual o HMCG faz parte, foi criado com a finalidade de alertar e engajar a sociedade na luta contra o câncer e em defesa da vida. O projeto existe há uma década e, este ano, integrará a 5ª edição do congresso Todos Juntos Contra o Câncer (TJCC), promovido pela Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia (ABRALE), e muito importante para o compartilhamento de informações relacionadas à Oncologia.

5 mitos e verdades sobre gravidez

18/09/2018
Com certeza, você já deve ter ouvido falar que barriga pontuda é sinal de que o bebê é menino, e se a barriga for redonda é uma menina. Mas na verdade, isso é apenas superstição. Somente a ultrassonografia pode desvendar o sexo do bebê.

29 DE AGOSTO - DIA NACIONAL DE COMBATE AO FUMO

29/08/2018

Por que parar de fumar?

Sim, é difícil para de fumar. A química presente no cigarro, principalmente a nicotina, causa dependência, e os sintomas da abstinência faz com que muitos desistam da meta de largar o cigarro. 
Mas sim, é possível parar de fumar, tanto que as pesquisas vêm registrando redução de números relacionados ao tabagismo. Embora ainda existam cerca de 20 milhões de fumantes no Brasil, o Ministério da Saúde aponta que, entre 2006 e 2017, houve queda de 36% do total de pessoas com hábito de fumar. 
A Organização Mundial da Saúde (OMS) aponta 6 milhões de mortes ao ano relacionadas à dependência do cigarro. No Brasil, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), são 200 mil mortes. 
O tabagismo, aliás, agrava ou provoca vários tipos de doença (AVC, gangrena, diabetes, hipertensão arterial, trombose, entre outras), em especial ao câncer, sendo responsável por cerca de 30% das mortes provocadas pela doença. Especificamente com o câncer de pulmão, o cigarro faz parte do histórico de 90% dos pacientes, e anualmente, 28 mil novos casos são registrados. 

Suporte 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) reconhece o tabagismo como epidemia. Por isso, existem cada vez mais recursos para quem decide abandonar o vício, de aplicativos de celular que mostram a economia de saúde e de dinheiro quando decide-se parar de fumar, a programas de saúde direcionados a fumantes. 
Se você é fumante e precisa de um empurrão para vencer a dependência do cigarro, veja todos os benefícios que seu organismo receberá, segundo a American Cancer Society: 

Como seu organismo reage quando você para de fumar

- Após 20 minutos:
a pressão arterial e os batimentos cardíacos voltam ao normal, e a temperatura dos pés e mãos se eleva. 

- Após 2 horas: não há mais nicotina circulando no sangue 

- Após 8 horas: diminui a quantidade de monóxido de carbono e a oxigenação do sangue volta ao normal

- Após 12 a 24 horas:
a função pulmonar melhora, com redução dos riscos de um ataque cardíaco 

- Após 2 dias: há melhora do olfato e do paladar 

- Após 2 a 3 semanas: os brônquios começam a funcionar melhor e a limpar os resíduos deixados pelo fumo nas vias respiratórias 

- Após 2 meses: há melhora de condicionamento físico, respiração e circulação sanguínea

- Após 6 meses: redução de tosse, congestão nasal, cansaço, falta de ar e risco de infecções respiratórias 

- Após 1 ano: os riscos de infarto do miocárdio e a morte por ataque cardíaco diminuem pela metade

- Após 5 anos: redução pela metade do risco de desenvolver câncer de pulmão, boca, garganta e esôfago. Risco de AVC passa a ser equivalente a de uma pessoa que não fumou 

- Após 10 anos: risco de desenvolver câncer de pulmão semelhante a de quem não fumou 

- Após 15 anos: risco de infarto semelhante a de quem nunca fumou

ATIVIDADE FÍSICA: EM QUE IDADE E COMO COMEÇAR

24/08/2018


A partir dos sete anos de idade, a criança deve ser estimulada a correr, subir, descer, se exercitar, mas não é indicado foco em apenas um tipo de atividade, pois poderá privar o desenvolvimento de certos grupos musculares.

A atividade física é indicada em qualquer idade, mas antes de iniciá-la, alguns cuidados são essenciais:

1. Procure um médico cardiologista para fazer os exames necessários e certificar-se de que está tudo bem. É a partir dessa avaliação que a pessoa fica liberada ou não para as práticas esportivas.

2. Se liberado pelo médico, procure um profissional de educação física ou personal trainer para desenvolver um programa indicado a características e necessidades pormenorizadas.

3. É importante optar por atividades que combinem com suas necessidades físicas, como possíveis problemas musculares e de postura, estilo de vida e rotina – se trabalha em pé ou sentado, se tem algum hobby, se é uma pessoa estressada.

4. Mesmo com autorização médica, devem ser feitos testes para avaliação do condicionamento físico na parte cardiovascular, neuromuscular, flexibilidade, bem como os tipos de pisadas – pronada, supinada ou neutra.

5. Não tente forçar a realização de determinadas atividades. Muitas vezes, o aluno acredita que ele precisa se adequar aos exercícios e equipamentos da academia, mas é exatamente o contrário. É preciso adequar os exercícios e equipamentos às necessidades de cada um, respeitando limites de amplitudes de movimento em cada articulação, para que a atividade física seja prazerosa e traga resultados, não danos.

7. É sempre melhor começar os exercícios de forma gradativa. O ideal para quem está iniciando a prática é dedicar-se três vezes por semana, durante 30 minutos. Os exercícios aeróbicos, a princípio, são mais benéficos. Respeitar o período de adaptação neural e o próprio limite é fundamental para futuramente ter um melhor resultado e atingir o objetivo proposto, com saúde e segurança.

8. O começo das atividades pode ter como objetivo a correção de pequenos problemas de postura, alongamento e flexibilidade. Corrigindo isso, é possível iniciar um trabalho mais voltado à conquista do objetivo de cada aluno.

9. Independentemente do objetivo, uma alimentação balanceada é imprescindível para alcançar os objetivos.

10. “Deixe que a alimentação seja o seu remédio e o seu remédio a sua alimentação” (HIPÓCRATES)

 

Luiz Carlos Pereira, educador físico do Hospital e Maternidade Christóvão da Gama

15 DE AGOSTO - DIA DO CIRURGIÃO VASCULAR

15/08/2018

O Dr. Eduardo Ramacciotti, cirurgião vascular do HMCG, faz considerações importantes sobre a especialidade.
Leia aqui: 




''As condições vasculares afetam as veias e as artérias do corpo, que conduzem o oxigênio para todas as células vivas.

Imagine suas veias e artérias como vias expressas ou rios. Quando há engarrafamentos ou construção de estradas ou ainda quando as barragens cedem, os problemas acontecem.

Na maioria dos casos, as condições vasculares são altamente tratáveis, e muitas vezes sem a necessidade de cirurgia.

É importante a avaliação de um cirurgião vascular, mesmo quando a cirurgia não é necessária. Os cirurgiões vasculares são especializados em tratamentos para todo tipo de problema vascular (exceto aqueles do coração, tratados por cirurgiões cardiovasculares, e do cérebro, tratados por neurocirurgiões).

Uma condição comum, como a aterosclerose, pode aparecer nas pernas, por exemplo, mas afeta todo o corpo.

Cirurgiões vasculares também orientam seus pacientes sobre como exercício, dieta e medicação podem ser o primeiro passo para recuperar sua saúde.

E quando a cirurgia é necessária, esses especialistas são treinados em todos os tipos de intervenções, não apenas em um ou dois.

Celebramos com muita alegria o dia do cirurgião vascular.''

CHRISTÓVÃO DA GAMA ENTRA NA LUTA CONTRA USO DE ANTIBIÓTICOS

15/08/2018


O uso inadequado de antibióticos tende a elevar a morte por bactérias resistentes à primeira causa de morte no mundo até 2050. O alerta foi feito pelo médico infectologista Carlos Quadros, do Hospital e Maternidade Dr Christóvão da Gama (HMCG), com base em estudos da Organização Mundial da Saúde. No Brasil, um dos agravantes é a venda não fracionada de medicamentos, o que provoca o uso excessivo ou até o aproveitamento das eventuais sobras dos antibióticos por parte dos pacientes, sem nova recomendação médica. As chamadas doenças de inverno como gripes e suas complicações aumentam a busca por estes medicamentos. “O problema tem de ser combatido por três frentes simultâneas que envolvem os profissionais da saúde com atuação em hospitais; a comunidade a partir de campanhas de conscientização e o controle em uso na criação de animais para o consumo humano”, informa Quadros.

O HMCG intensificará este ano as ações do Grupo de Gestão de Antimicrobianos, que abrange protocolos para tratamento contra fungos, vírus e bactérias a partir de uma equipe multidisciplinar da saúde, com o objetivo de disseminar informações sobre o uso correto dos antibióticos nos pacientes.

“Um dos profissionais essenciais que fará parte deste grupo é o farmacêutico, que, atualmente, tem ampliado sua presença nas ações preventivas e corretivas do uso de antibióticos, podendo oferecer intervenção rápida graças aos conhecimentos técnicos”, informa o especialista.

Como exemplo sobre a gravidade do uso indiscriminado de antibióticos, o médico informa que mesmo com a exigência de receita, muitos pacientes acabam por pressionar os médicos para a prescrição de antibióticos sem que haja evidente necessidade de uso deste medicamento. Segundo ele, a própria indústria farmacêutica, em parte, sente-se desestimulada a novos lançamentos por conta do alto custo para desenvolvimento e da baixa eficácia que novas drogas podem ter frente ao fortalecimento das bactérias pelo uso inadequado por parte da população e profissionais de saúde.

A resistência aos antibióticos é uma resposta dos microrganismos ao uso desses medicamentos. Seu uso — e especialmente seu abuso — faz com que, por meio de diferentes mecanismos biológicos, percam sua eficácia. As bactérias deixam de ser sensíveis aos seus efeitos e são necessários princípios ativos cada vez mais agressivos para eliminá-las.

Segundo Quadros, quando o indivíduo chega ao ambiente hospitalar, em geral com maiores riscos a contaminações, torna-se alvo vulnerável para contaminações mais violentas pelas chamadas superbactérias, como a temida KPC presente em boa parte dos os hospitais brasileiros, porém com diferente grau de resistência.



(foto: Divulgação)

MULHERES ADIAM MATERNIDADE E TEM MENOS FILHOS

15/08/2018


Segundo estatísticas do IBGE, cada vez mais as mulheres brasileiras estão adiando a maternidade e tendo um número menor de filhos. 
A taxa de fecundidade vem decrescendo ao longo dos anos e a previsão é que diminua cada vez mais. Em 2018 está em 1,77 e deve cair para 1,66 em 2060. 


Segue entrevista com o ginecologista e obstetra do HMCG, Dr. Antônio de Freitas, para o Jornal da Band. 

DOENÇAS DA PELE ESTÃO ENTRE OS MALES DO INVERNO, ALERTA DERMATOLOGISTA

01/08/2017

Especialista do Hospital e Maternidade Dr. Christóvão da Gama dá dicas de como manter a pele bem cuidada e livre dos danos do frio

 

 

As baixas temperaturas do inverno costumam desencadear uma série de doenças, inclusive dermatológicas. Alergias, eczemas, psoríase e dermatite seborreica são algumas das afecções  mais comuns nessa época do ano, listadas pelo dermatologista Domingos Jordão Neto, do Hospital e Maternidade Dr. Christóvão da Gama, em Santo André. Estes problemas dermatológicos surgem por fatores climáticos, já que no frio há menor produção de sudorese e ativação das células que produzem o manto hidrolipídico da pele (camada de proteção da pele contra a perda de água), mas também por mal hábitos como os tradicionais banhos quentes e demorados, tão criticados pelos especialistas. “A oleosidade natural da pele é muito importante para proteger o corpo do frio, da penetração das bactérias, fungos, vírus, de poluentes do ar, do contato com alergênicos como poeira, mofo e fibras de tecidos”, explica o dermatologista.

Outro fator de atenção nesta época do ano é com o filtro solar. Segundo o médico, hoje, o filtro solar é considerado o melhor método de prevenção para o câncer e para outras doenças como o fotoenvelhecimento, que causa um grande desgaste na pele, promovendo um aparecimento mais precoce de rugas e manchas na pele.

Portanto, mesmo nos dias que o sol não aparece é preciso usar protetor solar. Segundo Jordão, a eficácia do produto depende do seu nível de proteção. Quanto maior o nível, menos a pele estará desprotegida. Portanto, recomenda, deve- se usar protetores superiores ao nível 30, principalmente pessoas de pele clara. “O filtro solar (FPS) é hoje nosso principal aliado para prevenção do câncer de pele. Devem ser usados religiosamente, mesmo em dias nublados que a luz visível é fraca mas as radiações estão presentes”, avisa.

A radiação UV atinge principalmente pessoas de pele mais clara, devido à deficiência em melanina.

A melanina é um protetor natural do nosso organismo, mas infelizmente não é suficientemente capaz de nos proteger contra as radiações UVA, UVB e UVC.

A radiação aumentou muito neste último século devido a problemas ambientais. A camada de ozônio, por exemplo, impedia que grande parte dessa radiação chegasse até a terra, mas um aumento significativo de poluentes gerados por CFC (clorofluorcarbonetos) abriram um buraco na camada de ozônio, impedindo que ela atuasse como um protetor da terra. Sendo assim, ressalta o médico, essas radiações passam por esse buraco e atinge a terra com maior exatidão.

Este problema ambiental tornou-se o principal responsável pelo surgimento de umas das maiores doenças do século, o câncer de pele.  Os cientistas estimam que, para cada 1% de perda da camada de ozônio, podem surgir cerca de 50 mil novos casos de câncer e 100 mil problemas do fotoenvelhecimento da pele.

Tratamentos – Apesar da atenção especial com a pele, no período mais frio é altamente recomendado para a realização de tratamentos estéticos faciais, porque essas estações têm menos dias de sol e calor, que podem causar a demora em algumas recuperações de tratamento e ainda podem provocar o aparecimento de manchas na pele devido à exposição solar. Por isso, a procura pelos tratamentos aumenta em 50% nesta época do ano, segundo informa o médico.

Dicas de cuidados com a pele durante o inverno:

  • Não tomar banho muito quente e prolongado. Pessoas de pele muito seca devem evitar o uso de sabonetes nas pernas e braços, usando-o somente nas áreas íntimas, espalhando a espuma do sabonete no restante da pele;
  • Não usar buchas vegetais, esponjas, cremes ou sabonetes de banho com grânulos (com exceção das áreas de pele mais engrossada, como cotovelos, joelhos e pés);
  • Não se secar com toalhas ásperas, esfregando-se para não remover ainda mais a camada de proteção natural;
  • Tomar banho rápido e morno. É saudável e ecologicamente correto, com sabonetes neutros e hidratantes, pois são os que menos ressecam a pele;
  • Utilizar esfoliantes no corpo, no máximo, de uma a duas vezes por mês, com grânulos finos, pois do contrário, a pele perde o revestimento natural por meio desse tipo de “agressão” e torna-se sem brilho e seca, fácil de manchar e se contaminar com vírus, bactérias e fungos;
  • Secar-se com toalhas felpudas, principalmente nas áreas de dobras do corpo (dedos, pés, virilhas e axilas) para evitar qualquer micose oportunista;
  • Aplicar um bom hidratante corporal com produtos à base de uréia, ácido lático, ácido hialurônico, óleos vegetais, vitaminas e anti-oxidantes.


Os procedimentos mencionados acima devem ser mantidos por todas as faixas etárias, inclusive idosos que tem pele muito sensível, com exceção das crianças pequenas que tendem a ter a pele menos ressecada e precisam de hidratante específico para elas. Um adulto deve aplicar hidratante, pelo menos, duas vezes ao dia.

LIMPEZA NASAL MELHORA RESPIRAÇÃO EM DIAS DE AR SECO

28/07/2017

Especialista do Hospital e Maternidade Dr. Christóvão da Gama orienta como fazer o procedimento em casa e com segurança

O tempo seco típico do inverno acaba por causar alguns desconfortos nas vias respiratórias. Para algumas pessoas, este transtorno pode ser minimizado em casa com a lavagem nasal, que pode ser realizada em todas as faixas etárias, inclusive nas gestantes, segundo explica a otorrinolaringologista Eliane Jacome Fernandes dos Santos, do Hospital e Maternidade Dr. Christóvão da Gama, em Santo André.

Segundo explica, o procedimento é indicado, em especial, para pacientes com rinite alérgica, quadros de rinossinusites virais e bacterianas, tanto agudas, de repetição ou crônicas, incluindo a polipose nasal e até em condições   inespecíficas como a presença de secreção retronasal, quadro também conhecido como gotejamento pós nasal.

A lavagem nasal também é recomendada no pré e no pós-operatório de cirurgia do nariz e seios paranasais.  No inverno, é mais indicado em função do aumento da frequência de infeções das vias aéreas superiores. 

Os benefícios mais comuns incluem a limpeza de muco nasal, secreções purulentas e restos celulares e crostas. A lavagem nasal limpa as vias aéreas superiores e é o tratamento mais conservador, pois não apresenta efeitos adversos, sendo o procedimento mais simples, seguro e de baixo custo. Além de remover as secreções, aumenta a aeração da mucosa nasal, o que diminui a inflamação local. A lavagem nasal também melhora a qualidade de vida do paciente, pois reduz o acúmulo de secreções que resultam   nos sintomas   de rinorreia de secreção posterior no nariz e aumenta o fluxo aéreo que estava reduzido em consequência das secreções.  Todas essas ações levam a um melhor funcionamento da via nasal, melhorando a respiração e o olfato.

Procedimento – Segundo a especialista, existem, basicamente, duas maneiras de aplicar as soluções salinas. A mais simples utiliza a pressão negativa, onde se coloca a solução salina na palma da mão levando-a ao nariz e realizando uma inspiração forçada para introduzi-la nas fossas nasais. Outra é por meio da pressão positiva exercida por dispositivo que forcem a passagem da solução pelas fossas nasais como, por exemplo, a utilização de seringas, conta gotas e jatos contínuos. Em ambos os métodos deve-se utilizar apenas soro fisiológico e em temperatura ambiente, na quantidade de 3 a 5 ml para crianças e 10 ml em adultos.

Após a aplicação da solução, a secreção será expelida pelo próprio nariz ou pela garganta. A limpeza nasal pode ser realizada mesmo quando as vias aéreas estiverem inflamadas, pois ajudará a diminuir a inflamação local, com melhora da respiração e do olfato. “É sempre bom enfatizar que não havendo melhora significativa, o melhor é procurar o especialista”, alerta a otorrino.






CENTRO DE ESTUDOS DO HOSPITAL E MATERNIDADE DR CHRISTÓVÃO DA GAMA LIDERA PESQUISA NO BRASIL DE MEDICAMENTO PARA DIABETES TIPO 2

30/05/2017

Coordenador da endocrinologia comandará os estudos no país para droga aplicada em crianças 


Maio 2017
– Pela primeira vez o Hospital e Maternidade Dr Christóvão da Gama (HMCG), em Santo André, será o Centro Coordenador no Brasil de pesquisa mundial de eficácia e segurança de medicamento. Com o comando do endocrinologista e presidente da Associação de Diabetes do ABC, Márcio Krakauer, o Centro de Pesquisa Clínica do hospital coordenará no país o estudo sobre o uso do medicamento Exenatida no tratamento do diabetes Tipo 2 em crianças. O remédio já é utilizado em adultos com o mesmo perfil da doença e é produzido por uma das maiores indústrias farmacêuticas do mundo, com filial no Brasil, o AstraZeneca,

“Há cerca de 10 anos o Brasil ampliou sua presença no cenário mundial das pesquisas clínicas, tanto qualitativas como quantitativas. Ficamos muito honrados de sermos escolhidos por um laboratório renomado mundialmente, para liderarmos os estudos de eficácia e segurança de medicamento em nível nacional”, comenta Krakauer.

O trabalho terá início durante viagem que acontece este mês para Dubai, nos Emirados Árabes, onde pesquisadores líderes de várias partes do mundo receberão as orientações que nortearão os estudos da Exenatida aplicada em crianças. No retorno ao Brasil, o médico iniciará a primeira etapa dos estudos no país que inclui a seleção de cerca de 30 pacientes voluntários. A pesquisa completa está prevista entre 12 e 24 meses e com resultado geral positivo, o laboratório pedirá liberação dos órgãos reguladores para emissão de nova bula para comercialização.

“Ainda não temos índices específicos, mas o diabetes tipo 2 tem avançado de forma preocupante no Brasil, haja vista o avanço de crianças obesas por consequência do estilo de vida sedentário. Daí a importância de se testar em crianças um medicamento que já foi bem sucedido com adultos. Se os estudos comprovarem a mesma eficácia, ganha-se tempo com a terapêutica para este outro público”, avalia Krakauer, coordenador para o Brasil dos testes do Exenatida.

Para mais informações sobre o estudo entrar em contato, exclusivamente, com o Centro de Pesquisa Clínica do HMCG pelo tel.: (011) 4468.8183.

ORTOPEDISTA ORIENTA COMO PREVENIR DORES DE COLUNA E ARTICULAÇÕES NOS DIAS FRIOS

13/06/2017

 

Dores na coluna estão entre os principais motivos de afastamento do trabalho

 

Junho 2017 – O inverno começa no próximo dia 21 e com ele voltam alguns transtornos de saúde muito comuns nos dias de hoje. Mas você pensou nas doenças relacionadas ao sistema respiratório, errou! É cada mais frequente as queixas de dores na coluna e articulações entre pessoas de idades variadas.

De acordo com a OMS, cerca de 80% da população mundial sofre com dores na região lombar e no Brasil, os problemas relacionados à coluna são o principal fator de afastamento do trabalho. “

Realmente, com a chegada do inverno os problemas de coluna causam maior dor e limitações, seja em pacientes que apresentam doenças crônicas, como hérnia de disco, artrose, reumatismos e fibromialgia, ou mesmo em pessoas que não sofrem de quadros de dores nas costas previamente”, confirma o ortopedista Edgar Santiago Valesin Filho, do Hospital e Maternidade Dr. Christóvão da Gama, em Santo André

Segundo o especialista, diversas causas são propostas pela medicina para explicar essa constatação, a exemplo de maior rigidez ou tônus muscular; maior permanência em ambientes internos com pouca mobilidade articular e vertebral; maior frequência de gripe e resfriados que sensibilizam a musculatura e causam dor e, até mesmo a depressão pode interferir nesta sintomatologia. Para prevenir, sugere o médico, o paciente deve procurar se manter ativo, realizar alongamentos frequentes, praticar ginástica laboral, realizar a imunização adequada para quadros gripais recomendada por seu médico e evitar permanecer por um período prolongado de tempo com uma postura desconfortável ou inadequada.
Algumas atividades físicas são especialmente recomendadas.
A hidroginástica, por combinar baixo zero impacto e exercícios em água morna, está entre elas, e funciona bem para pacientes que devem evitar atividades de impacto e procuram um exercício regular compatível com suas limitações. Segundo o ortopedista, a hidroterapia também contribui como terapia complementar para pacientes que sofrem com dor crônica e, muitas vezes, ajuda a diminuir a frequência e a intensidade das crises, assim como o uso de medicação analgésica. “Pacientes sadios e sem queixas de dores nas costas, devem manter sua rotina de atividade física habitual, porém intensificar exercícios iniciais de aquecimento e realizar alongamentos antes e após a atividade física. Portadores de doenças crônicas da coluna vertebral devem evitar exercícios de impacto ou qualquer atividade de sobrecarga que não estiver acostumado, o ideal nestes casos é solicitar auxílio ao seu médico, para conhecer claramente quais suas possibilidades e o que pode, eventualmente, prejudicar a evolução da doença”, orienta o especialista.

As pomadas analgésicas, segundo o ortopedista, não devem ser utilizadas sem orientação médica. Ele lembra ainda que relaxantes musculares alteram os reflexos de maneira significativa e não devem ser utilizados por pessoas que operem máquinas ou conduzam veículos durante o uso da medicação. 

Veja 10 dicas úteis para enfrentar o inverno sem sofrer com dores crônicas articulares e de coluna

  • manter a rotina de atividade física e evitar o sedentarismo;
  • evitar períodos prolongados em postura inadequada;
  • cuidados para curvar o tronco, flexão da coluna para frente, principalmente no período da manhã, quando a musculatura encontra-se encurtada;
  • cuidado para pegar peso de maneira inapropriada;
  • praticar alongamentos frequentemente;
  • realizar ginástica laboral;
  • evitar ambientes frios em excesso ou "choque térmico";
  • evitar picos de tensão, estresse ou ansiedade;
  • realizar a imunização da gripe, principalmente as pessoas idosas ou portadoras de doenças crônicas;
  • procurar auxílio de um fisioterapeuta experiente para orientações de postura individualizada
  • procurar auxílio médico imediato se necessário, já que muitas vezes as crises são agudas e autolimitadas, porém quando a intensidade da dor for incapacitante, o uso de medicação adequada  deve ser indicado pelo especialista. 


Parabéns para todas as Mulheres!!!

08/03/2017

CLÍNICO GERAL DO HMCG FAZ ALERTAS PARA UM CARNAVAL SEM RISCOS À SAÚDE DOS FOLIÕES

23/02/2017

Condicionamento físico e riscos de contágios sexuais fazem parte da atenção redobrada


Fevereiro 2017
– A mistura de calor excessivo, sedentarismo e alimentação inadequada pode ser uma bomba contra a saúde dos foliões durante o Carnaval. O alerta vale para adultos e, especialmente, para as crianças. O clínico geral Richard Rosenblat, do HMCG, afirma que é importante que o condicionamento físico esteja devidamente testado, antes de se aventurar pelos dias de festas. Outro alerta é quanto às DST (doenças sexualmente transmissíveis), que tendem a aumentar neste período, quando a vigilância no contato sexual fica em queda.

“Esta é uma festa que coincide com a estação mais quente do ano e, portanto, coloca as pessoas em estresse físico. Já os ingredientes típicos do Carnaval são dança e bebida alcoólica, apreciadas em ambientes quentes e tumultuados que adicionam elementos de risco para a saúde dos foliões”, lembra o médico.

Segundo o clínico geral, não é nenhum exagero recomendar que as pessoas que irão participar ativamente, principalmente os que têm idade acima de 40 anos, submetam-se a alguns testes básicos como eletrocardiograma, avaliem a pressão arterial e certifiquem-se de não estarem com nenhum tipo de alteração de saúde que possa provocar vertigens súbitas, a exemplo do diabetes. “Estas avaliações são rápidas e podem evitar que o folião submeta-se a exageros que possam abreviar os dias de festa”, avisa doutor Rosenblat.

Alimentar-se bem e sem intervalos muito longos é primordial para antes e durante o Carnaval. Os alimentos de fácil digestão como os carboidratos (arroz, macarrão, pães) são os mais recomendados. As barrinhas de cereais também são ótima opção e podem ser levadas para as festas, para garantir dose extra de energia. Ingerir muito líquido antes, durante e depois da folia também faz parte das recomendações, com preferência à água e sucos. “A bebida alcoólica pode ser ingerida com moderação e sua ingestão deve ser alternada com alimentos e líquidos não alcoólicos, para que o corpo não entre em estresse”, informa.  

Crianças – De maneira geral, a orientação é que os foliões não habituados a atividades exaustivas devem respeitar os próprios limites. Para os pais, vale lembrar que os cuidados com as crianças são os mesmos que para os adultos e recomenda-se deixar que eles tenham um descanso adequado, especialmente nos intervalos entre uma atividade e outra. O sono é ainda mais essencial nestes momentos como efeito reparador do organismo.

De acordo com o especialista, os pés, assim como em qualquer atividade física, são os que mais sofrem com as horas de sacolejos, pois são o maior ponto de impacto com o chão. “O ideal é evitar ficar descalço ou de sandálias. A preferência são calçados leves, confortáveis e fechados para evitar se machucar e antecipar o fim da festa. Uma boa opção é calçar tênis que foram amaciados com o uso”, diz o médico. Seguindo as boas dicas e usando o bom senso, agora é só aproveitar a alegria contagiante do Carnaval!

Câncer infanto-juvenil é tema do Dia Mundial do Câncer 2017

03/02/2017

A campanha do INCA para o Dia Mundial do Câncer (4 de fevereiro) deste ano tem como tema o câncer infanto-juvenil.  No Brasil, o câncer é a principal causa de morte por doença em crianças e adolescentes, sendo superada somente pelos acidentes e mortes violentas. Entre 2009 e 2013, o câncer foi responsável por cerca de 12% dos óbitos na faixa de 1 a 14 anos, e 8% de 1 a 19 anos. No Brasil, foram registradas 2.724 mortes por câncer infanto-juvenil em 2014 (ano mais recente com informações compiladas).

Durante o a cerimônia comemorativa, na sexta-feira, 10, na sede do INCA, no centro do Rio de Janeiro, será lançado pelo Instituto o livro Incidência, mortalidade e morbidade hospitalar por câncer em crianças, adolescentes e adultos jovens no Brasil: informações dos registros de câncer e do sistema de mortalidade. A publicação trará a inclusão inédita das informações sobre morbidade hospitalar, e da faixa etária de 20 a 29 anos (adultos jovens). A base de dados vem das informações sobre incidência (coletadas por 25 Registros de Câncer de Base Populacional-RCBP), mortalidade (registradas no Sistema de Informação sobre Mortalidade-SIM/Ministério da Saúde), e de morbidade hospitalar (provenientes dos Registros Hospitalares de Câncer-RHC).

O INCA estima a ocorrência de 12.600 novos casos de câncer na faixa etária de zero a 19 anos em 2017. O chamado câncer infanto-juvenil inclui, na verdade, vários tipos de câncer. As leucemias representam o maior percentual (26%), seguida dos linfomas (14%) e tumores do sistema nervoso central (SNC) (13%).

O Dia Mundial do Câncer é uma iniciativa da UICC, uma organização não governamental que une a comunidade internacional com o objetivo de reduzir a carga global do câncer, para promover uma maior equidade, e para integrar o controle da doença na saúde mundial e na agenda de desenvolvimento.

Fundada em 1933 e com sede em Genebra, conta com a adesão de mais de 800 organizações em 155 países, entre elas as principais sociedades de câncer do mundo, ministérios da saúde, institutos de pesquisa, centros de tratamento e grupos de pacientes. A Direção-Geral do INCA integra seu corpo diretivo, que se reúne duas vezes ao ano, para traçar planos e avaliar projetos em andamento.

A campanha do INCA para o Dia Mundial do Câncer 2017 tem como o mote a frase “Nós Podemos Eu Posso", sugerida pela UICC para ser trabalhada entre os anos de biênio 2016 e 2018. 

FONTE:PORTAL INCA


ALERTA! GOLPE SENDO APLICADO EM HOSPITAIS DE SÃO PAULO- CAPITAL, SÃO PAULO-INTERIOR E REGIÃO DO ABCD

28/01/2017


ATENÇÃO! FIQUE ATENTO!!!

FEBRE AMARELA PODE CONTINUAR A FAZER VÍTIMAS NAS VIAGENS DE CARVANAL, ALERTA ESPECIALISTA DO HOSPITAL CHRISTOVÃO DA GAMA

27/01/2017

 

Quem pretende viajar precisar tomar a vacina com, pelo menos, dez dias de antecedência

 

Janeiro 2017 – O final das férias se aproxima, mas com ele algumas pessoas trouxeram na “bagagem” o contágio pelo mosquito transmissor da febre amarela, justamente por terem visitado regiões onde há surto da doença como cidades do interior de São Paulo e de Minas Gerais. Porém, uma nova temporada de viagem se aproxima com o Carnaval e a vacina, método mais eficaz de prevenção, só tem efeito comprovado após dez dias da aplicação.

De acordo com o médico coordenador do  Pronto Socorro Adulto do Hospital e Maternidade Dr Christóvão da Gama, Richard Rosenblat, a atenção para casos de infecção tem de ser redobrada, pois os principais sintomas são muito similares ao da dengue ou até de uma gripe forte.

No entanto, explica o especialista, o que diferencia a febre amarela das demais doenças é a evolução.
Tanto a febre amarela silvestre (mosquito transmissor Haemagogus e o Sabethes) como a urbana (mosquito transmissor Aedes aegypti), a exemplo do que o próprio nome sugere, a doença evolui com o amarelecimento dos olhos e da pele, a chamada icterícia”, detalha o médico.
Por isso, orienta, aos primeiros sintomas de febre de origem não determinada, procurar o serviço médico que orientará o paciente quanto aos sintomas e tratamento.
O tratamento, segundo explica, é de suporte, com muita hidratação e sintomáticos. As formas graves podem evoluir para o acometimento hepático, renal e hematológico (hemorragias).
Segundo Rosenblat, a única forma de evitar a febre amarela é através da vacinação. A vacina está disponível durante todo o ano nas unidades de cuidados de saúde de forma gratuita e deve ser administrada pelo menos 10 dias antes do deslocamento para áreas de risco. A vacina pode ser administrada após seis meses de idade e é válida por dez anos.

1. WORKSHOP DE FARMÁCIA, dia 03 de fevereiro, inscrições gratuitas

10/01/2017

O HMCG promove no próximo dia 03 de fevereiro Workshop com o tema: Segurança dos medicamentos

Inscrições pelo link: vide  abaixo




NO NOVEMBRO AZUL, HMCG ANUNCIA ADOÇÃO DE PROGRAMA DE GLICEMIA HOSPITALAR PARA AUXILIAR NO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DO DIABETES

31/10/2016

Precursor da denominação Novembro Azul como campanha de diabetes, Márcio Krakauer comenta o tema

 

Novembro 2016 – O Hospital e Maternidade Dr Christovão da Gama (HMCG), em Santo André, uma das maiores referências na prevenção e tratamento de diabetes na região do ABC, aproveita as ações em torno do Dia Mundial do Diabetes, 14 de novembro, para anunciar que desde agosto tem em atividade o Programa de Glicemia Hospitalar, baseados nos mais avançados protocolos de controle do diabetes em pacientes internados. A iniciativa contribui para a detecção de novos portadores da doença, já que 50% dos 14 milhões de brasileiros portadores da doença desconhecem que convivem com o mal, e também para a maior segurança da saúde do diabético durante a internação. “Nosso protocolo, primeiramente, reuniu ampla equipe multidisciplinar de profissionais de várias áreas do hospital como enfermeiros, nutricionistas, responsáveis por compras e TI, toda equipe médica, inclusive os intensivistas, e, posteriormente, uma bateria de treinamentos seguiu por quase cinco meses até formularmos todo o protocolo que nos orienta desde a detecção da glicemia capilar no paciente até todo o procedimento que deverá ser adotado durante sua estada no HMCG”, informa Márcio Krakauer, endocrinologista do hospital e que também está à frente da coordenação das ações do Novembro Azul, pela Sociedade Brasileira de Diabetes, como mês de alerta para o exame preventivo do diabetes, e ainda presidente da Associação de Diabetes do ABC.
Novembro Azul - Segundo Marcio Krakauer, os hospitais andam lotados de pacientes com diabetes e, por isso, a criação de protocolo específico poderá colaborar para tornar o diabético ciente da doença e dos cuidados necessários. Em 2040, segundo estimativas da International Diabetes Federation (IDF), deverá dobrar o total de portadores da doença, que atinge na maioria dos casos pessoas com idade acima de 40 anos, obesas e sedentárias. Ao contrário das campanhas divulgadas neste mês direcionadas ao alerta ao câncer de próstata, Krakauer explica que, originalmente, o movimento Novembro Azul nasceu nos anos de 2009 e 2010, no ABC, como alerta para a importância do diagnóstico precoce do diabetes. “O diagnóstico precoce do diabetes é fundamental para garantir não apenas o imediato tratamento da doença, mas também mais qualidade de vida ao paciente”, esclarece Krakauer.

Diabetes no ABC Enquanto o Brasil, tem 14 milhões de portadores de diabetes, sendo que 50% desconhecem sofrer do mal, no ABC a estimativa é de que entre 10% e 12% dos mais de 2,7 milhões de habitantes também convivam com a doença de consciente ou não. Por isso, segundo reforçou o doutor Krakauer, a adoção de protocolos que garantam o diagnóstico prévio dos pacientes internados em hospitais da região ajudará a tornar a doença conhecida por maior número de pessoas que poderão garantir melhor controle e evitar as consequências mais sérias como cegueira e mutilações.


DIA 29: ALERTA PARA A PREVENÇÃO CONTRA O AVC.

27/10/2016

Ministério da Saúde aponta mais de 100 mil casos de morte por ano causados por acidente cerebral

 

Outubro 2016 – A hipertensão, o colesterol, o tabagismo e o sedentarismo, certamente são vilões que agravam muitas outras doenças. E o Acidente Vascular Cerebral (AVC), em dia de alerta neste 29 de outubro - está entre elas. Porém, o AVC pode ser evitado em até 80%, segundo especialistas, se tiver os principais fatores de risco sob controle. De Acordo com o Ministério da Saúde, a cada cinco minutos um brasileiro morre vítima de AVC, sendo que as mulheres são mais atingidas pelo distúrbio, caracterizado pela perda da função neurológica provocada pelo entupimento ou rompimento de vasos sanguíneos cerebrais. “Saber reconhecer o início do AVC é fundamental para evitar as sequelas, pois se aplicados até três horas do início dos primeiros sintomas, alguns procedimentos podem restabelecer com grande sucesso a circulação cerebral, tirando o paciente do risco de morte e reduzindo a perda de função neurológica”, orienta o Neurocirurgião do Hospital e Maternidade Dr Christóvão da Gama (HMCG), Jorge Moscardi. A dor não é um sinal frequente no AVC !

A melhor forma de prevenir a doença é a realização regular de exames que indiquem o estado clínico geral do paciente, sobretudo, com relação aos fatores de risco já mencionados. Avaliando os hábitos de vida associados a indicadores como pressão arterial e colesterol, histórico familiar e idade, é possível ao médico ser mais enfático no alerta sobre a necessidade de medicações preventivas e mudança urgente na rotina do paciente.

 

Principais Sintomas do Início do AVC

Fraqueza nos membros – pernas e braços podem apresentar perda de força

Assimetria facial – a boca pode começar a ficar torta

Alterações na fala – perda da velocidade da fala e na pronuncia de palavras

Confusão mental – a pessoa exibe certa desorientação em relação ao tempo e o local onde está

Alterações no andar – a coordenação motora para caminhar pode ficar alterada

Alteração no nível de consciência – a pessoa pode apresentar sonolência ou torpor





DIAGNÓSTICO PRECOCE AINDA É A MAIOR ARMA CONTRA O CÂNCER DE MAMA, AVISA MÉDICO DO HMCG.

07/10/2016

NO  MÊS DEDICADO À CAMPANHA DE COMBATE À DOENÇA, INICIA-SE NOVA ONDA DE CONSCIENTIZAÇÃO

Apesar de campanhas mundiais de conscientização sobre exames preventivos para detectar precocemente a doença, o câncer de mama continua a apresentar taxas altas de mortalidade no País, mesmo que o sucesso dos tratamentos possa atingir sobrevida média de aproximadamente 61% após cinco anos do tratamento. As estatísticas indicam aumento da incidência do tumor tanto nos países desenvolvidos quanto nos em desenvolvimento, conforme o Instituto Nacional de Câncer (INCA). O câncer de mama é o primeiro tipo mais frequente no mundo em mulheres. No Brasil, são cerca de 50 mil novos casos por ano. Apesar de todo o avanço da medicina, o diagnóstico precoce fruto de hábitos eficazes de prevenção, como o auto-exame, rastreamento de rotina e campanhas de massa, ainda é o melhor ataque a este mal, chegando a 90% de chance de cura quando detectado em estágio inicial, contra menos de 20% nos mais avançados.

O mastologista do Hospital e Maternidade Dr. Christovão da Gama (HMCG) em Santo André, Ítalo Dutra explica que os principais fatores de risco para o câncer de mama acontecem em mulheres com idade entre 45 a 65 anos, que possuam histórico familiar, principalmente em parentes de primeiro grau que desenvolveram a doença antes da menopausa. Outros fatores preocupantes são em relação às mulheres que tiveram a primeira menstruação precoce ou a menopausa tardia, que participaram de terapias hormonais sexuais em altas doses ou que a primeira gravidez foi postergada, além de também estar associado a fatores como obesidade, hipertensão arterial, diabetes, sedentarismo, entre outros. Segundo o INCA, o câncer de mama, doença que consiste no desenvolvimento anormal das células da mama que se multiplicam repetidamente, formando um tumor maligno, é o tipo de tumor mais comum entre as mulheres, correspondendo a aproximadamente 22% dos casos.

Vale ressaltar que as formas de tratamento ao câncer de mama continuam avançando, o que proporciona cirurgias cada vez menos agressivas, drogas-alvo específicas, com substâncias mais eficazes no combate à doença. Em casos de tumor maligno, o mastologista ressalta que cada paciente possui suas peculiaridades, inclusive psicológicas, portanto, cada um terá tipos e sequências de tratamentos diferentes, sendo que a maioria dos casos ainda necessita de alguma intervenção cirúrgica. O médico lembra ainda que, apesar da crença popular de que o câncer de mama ataca apenas mulheres, os homens também são suscetíveis à doença, numa proporção menor, de aproximadamente 100 mulheres para 1 homem, por isso devem ficar ainda mais atentos, pois tanto a falta de informação quanto o preconceito podem retardar o diagnóstico, resultando em uma doença aparentemente mais agressiva.

O mastologista lembra que auto-exame, avaliação clínica periódica e a mamografia são as formas de prevenção secundária. Afirma que a primeira mamografia deve ser feita aos 35 anos, pois este exame inicial é utilizado como ponto de partida para avaliar as condições gerais da mama e possibilitar exames comparativos futuros. Em pacientes que apresentam fatores de risco, como hereditariedade, por exemplo, que chega a representar 10% dos casos, o exame de mamografia deve ser repetido todo o ano, iniciando 10 anos antes da idade em que o familiar mais jovem desenvolveu a doença. “Em alguns casos, o paciente também é encaminhado para realizar exames complementares como Ultrassonografia ou Ressonância Magnética”, afirma o especialista.

Mesmo com recursos mais avançados da medicina, o sistema de saúde pública enfrenta inúmeros problemas, como a enorme demanda e a defasagem de profissionais habilitados para trabalhar adequadamente nas regiões distantes dos grandes centros. “Apesar de o serviço público possuir profissionais de excelência, métodos diagnósticos e terapêuticos de última geração, cirurgiões mais habilidosos e todas as drogas necessárias, a demanda ainda continua muito maior que a oferta de tratamento. Outro agravante é a concentração destes recursos em poucos centros especializados”, afirma o especialista.  Ele lembra ainda que com o envelhecimento mundial da população, onde as mulheres são maioria, a prática da prevenção de doenças deve ser ainda mais incentivada por lideranças médicas e de governo, além de ressaltar que uma das poucas e mais eficazes reduções de risco é a gestação oportuna, quando acompanhada de amamentação. Outro ponto abordado, são os hábitos saudáveis de dieta balanceada, descanso suficiente, exercícios físicos regulares e controle clínico de comorbidades para uma boa saúde em geral.


29 DE AGOSTO, DIA NACIONAL DE COMBATE AO FUMO: 200 MIL BRASILEIROS AINDA MORREM POR ANO EM DECORRÊNCIA DO VÍCIO

26/08/2016

Oncologista do HMCG alerta que algumas sequelas são irreversíveis ao longo dos anos

Agosto 2016 – O fumo ainda é a causa de cerca de 200 mil mortes por ano no Brasil e, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMC) é a principal causa de morte evitável no mundo. Ainda assim, as pessoas continuam fumando e a necessidade de alerta sobre os danos à saúde deste vício se mantém. O oncologista Bruno Santucci do Hospital e Maternidade Dr. Christóvão da Gama e do Instituto Hemomed, em Santo André, após abandonar o vício, o fumante permanece por cerca de dez anos no grupo de risco de desenvolver câncer, doenças respiratórias ou cardiovasculares.

Para explicar melhor as reações que estes agentes fazem ao organismo do ser humano, o oncologista citou como exemplo uma pessoa que parou de fumar há uma quantidade de anos equivalente ao que foi dependente. “Existem lesões causadas no pulmão como, por exemplo, o enfisema pulmonar, que ocasionam sequelas irreversíveis devido ao longo tempo de consumo do tabaco. E por mais que a pessoa pare de fumar, o pulmão nunca mais voltará a ser o mesmo. Já a carcinogênese é o mecanismo que leva uma célula a se multiplicar desenfreadamente, causando o câncer, geralmente começa de 10 a 15 anos antes da manifestação clínica da doença. Por isso, não é raro que detectemos câncer de pulmão em pessoas que já deixaram de fumar há alguns anos”, alerta o Dr Bruno.

Apesar da massificação de campanhas privadas e públicas de combate ao cigarro, parar de fumar ainda é uma questão de decisão. O que é certo é que, em algum momento, os males do cigarro atingirão seus usuários, sem prévio aviso.


AR SECO É MOTIVO DE 70% DOS ATENDIMENTOS EM PRONTO SOCORRO NESTA ÉPOCA DO ANO

18/08/2016

Clínico geral do HMCG recomenda uso de máscara como prevenção a profissionais que trabalham na rua

Agosto 2016 – Para as pessoas que não gostam do frio, o mínimo sinal de sol e calor durante o inverno é motivo de comemoração. Porém, atrás deste aparente clima confortável, esconde-se um mal cada vez pior à saúde humana. Trata-se do ar seco, provocado pela queda da umidade relativa do ar, que, em São Paulo, tem caído a índices alarmantes – em torno de 15% - deixando as autoridades de saúde pública em estado de alerta. “À medida que a temperatura aumenta ao longo do dia, a umidade vai caindo. Os registros mostram níveis decrescentes da umidade, especialmente, a partir das 10 horas da manhã, chegando aos menores níveis por volta das 16 horas. Os problemas consequentes da baixa umidade chegam a representar 70% do pronto atendimento do hospital, nesta época”, alerta Richard Rosenblat, clínico Geral do Hospital e Maternidade Dr Christóvão da Gama (HMCG), em Santo André.

Segundo o médico, o principal sistema afetado por essa mudança de característica do ar é, sem dúvida, o respiratório. Devido à queda da umidade aliada ao aumento na concentração de elementos particulados - poluição -, o ar respirado se torna agressivo para as vias aéreas e pulmões. Essa agressão se traduz no aparecimento e persistência de rinites, laringites, bronquites na população em geral e, consequentemente, aumento de casos de pneumonia e sinusite. Além das vias aéreas e pulmões, a pele fica bastante exposta à baixa umidade, o que provoca ressecamento e facilitação às dermatites, tipo de infecção de pele.

A dica do clínico geral é apostar na ingestão de, no mínimo, dois litros de líquido por dia, com prioridade para água e sucos naturais, além de alimentos ricos em água, a exemplo de algumas frutas e verduras. As chamadas medidas caseiras de prevenção também são bem-vindas para manter a saúde em equilíbrio nos dias de clima de deserto. “Recomendo manter os ambientes bem arejados durante o dia. Porém, isso acarreta um ‘efeito colateral’, que é o acúmulo de poeira no interior das residências. Por esse motivo é necessária a retirada diária da poeira das superfícies dos móveis e pisos com um pano úmido, a fim de diminuir a possibilidade de aspiração dessa poeira durante a noite, principalmente por crianças, idosos e portadores de problemas respiratórios prévios.
Aconselho ainda manter a umidade dos ambientes residenciais, através de vasilhas contendo água, toalhas úmidas mantidas nos ambientes ou, se possível, uso de umidificadores”, informa o médico.
Segundo o doutor Rosenblat, o uso de máscaras para a circular pelas ruas nos dias mais secos, não tem recomendação precisa. Porém, aqueles que necessitam permanecer em áreas de alta concentração de partículas como agentes de trânsito, carteiros e outros profissionais que circulam por muitas horas pelas ruas, podem ter no uso de máscara um benefício associado a outras medidas de prevenção.

Especialista do HMCG fala sobre os cuidados com a pele na temporada de frio.

07/07/2016
Dr. Domingos Jordão Neto participou do Programa Show Mais, onde abordou os cuidados com a pele no frio.

Alerta! Golpe sendo aplicado em Hospitais de São Paulo- capital, São Paulo-interior e região do ABCD

27/06/2016

Alerta! Golpe sendo aplicado em Hospitais de São Paulo- capital, São Paulo-interior e região do ABCD

27/06/2016

Alerta! Golpe sendo aplicado em Hospitais de São Paulo- capital, São Paulo-interior e região do ABCD

27/06/2016

Alerta! Golpe sendo aplicado em Hospitais de São Paulo- capital, São Paulo-interior e região do ABCD

27/06/2016

Alerta! Golpe sendo aplicado em Hospitais de São Paulo- capital, São Paulo-interior e região do ABCD

27/06/2016

Alerta! Golpe sendo aplicado em Hospitais de São Paulo- capital, São Paulo-interior e região do ABCD

27/06/2016

Alerta! Golpe sendo aplicado em Hospitais de São Paulo- capital, São Paulo-interior e região do ABCD

27/06/2016

Alerta! Golpe sendo aplicado em Hospitais de São Paulo- capital, São Paulo-interior e região do ABCD

27/06/2016

Alerta! Golpe sendo aplicado em Hospitais de São Paulo- capital, São Paulo-interior e região do ABCD

27/06/2016

Alerta! Golpe sendo aplicado em Hospitais de São Paulo- capital, São Paulo-interior e região do ABCD

27/06/2016

Alerta! Golpe sendo aplicado em Hospitais de São Paulo- capital, São Paulo-interior e região do ABCD

27/06/2016

Alerta! Golpe sendo aplicado em Hospitais de São Paulo- capital, São Paulo-interior e região do ABCD

27/06/2016

Alerta! Golpe sendo aplicado em Hospitais de São Paulo- capital, São Paulo-interior e região do ABCD

28/01/2017

Começa no dia 23 de maio Campanha do Agasalho no HMCG

20/05/2016

Que tal neste final de semana dar uma olhadinha no seu armário? Com certeza você deve ter um agasalho em bom estado que não usa mais. Faça uma doação!
O Serviço Social do HMCG começa na segunda-feira uma Campanha para arrecadar roupas(adulto e infantil) para a creche
Recanto Somasquinho. Participe!
As doações serão recebidas na portaria administrativa do Hospital, av dos Andradas, altura do número 500

PACIENTES E COLABORADAS DO HMCG SÃO HOMENAGEADAS AO SOM DE MÚSICA CLÁSSICA PELO DIA DAS MÃES

06/05/2016

Nesta quinta-feira e sexta-feira o clima é de comemoração no Hospital e Maternidade Dr Christóvão da Gama, em Santo André, por conta da homenagem ao Dia das Mães, dia 8 de maio.

Como tradição da entidade hospitalar, a violinista Camila Fracchetta acompanhada por Denis Evangelista ao violão levaram alegria, através da música, às mulheres internadas e também às colaboradas do hospital.Além do presente aos ouvidos, as mães receberam um botão de rosa.

Em média, são realizados por mês no hospital cerca de 160 partos. Do total das internações gerais, em torno de 1,2 mil ao mês, aproximadamente 60% são mulheres.

Camila Fracchetta atua no universo da música desde os 15 anos de idade. Atualmente, realiza apresentações especiais em vários eventos e leciona música no ABC.

Na foto a sra. Rosa Speciato e seu esposo o sr.MIlton Speciato recebem avisita da Camila e Denis .

05 de maio, dia Mundial de Higiene das Mãos

05/05/2016

Mãos limpas, mãos seguras!

TEMPORADA DO FRIO AUMENTA CASOS DE HIPERTENSÃO Alerta faz parte das dicas para o Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial

25/04/2016

Abril 2016 – A agenda deste mês inclui um importante alerta de saúde: o Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial, celebrado no dia 26. Além de ser um dos males de saúde que mais mata no mundo, a hipertensão arterial é um mal que tende a piorar na época do frio que se aproxima. “O frio provoca vasoconstrição das artérias. Com isso, o coração quando bombeia sangue para um território de maior resistência e aumenta a pressão dentro das artérias. Para prevenir o risco de hipertensão, o ideal é manter o corpo , as mãos e pés bem aquecidos, através de roupas adequadas e alimentos e bebidas quentes como chás, leite e sopas”, informa Rogério Krakauer, cardiologista do Hospital e Maternidade Dr. Christóvão da Gama.

Segundo o médico, a hipertensão arterial é uma doença multifatorial, incluindo fatores genéticos e ambientais. Porém, o envelhecimento da população tem sido fator de risco isolado no aumento da prevalência da doença, assim como a mudança do padrão alimentar e de estilo de vida que também contribuem para esse aumento.

Bom exemplo disso é o comportamento mais sedentário que as crianças e adolescentes apresentam em relação às gerações anteriores, que caminhavam mais e brincavam em atividades físicas. Esses fatores, explica Krakauer, vêm sendo estudados mundialmente e no Brasil, com resultados alarmantes que indicam claramente o papel do sedentarismo e da má alimentação no aumento da incidência e prevalência da hipertensão. 

Embora em 90% dos casos a causa básica da hipertensão é a hereditariedade, o estilo de vida e a alimentação contribuem sobremaneira para a gravidade e precocidade do aparecimento da doença. A obesidade derivada da má alimentação e sedentarismo é a chave desse processo 
Segundo o médico, as pessoas que têm a hipertensão como herança genética, provavelmente, se conseguirem manter atividades físicas regulares, alimentação pobre em sódio, fracionada e saudável, peso adequado e o sono em dia como hábito desde a infância, podem até não desenvolver a hipertensão ou se acontecer poderá ser em fase mais tardia da vida e com menor gravidade, necessitando, assim, menos medicações e com menos complicações. 


DICAS DE COMBATE À HIPERTENSÃO NO INVERNO

- Agasalhar-se bem
- Utilizar bebidas quentes como chás, leite, café e alimentos quentes como sopas com baixas calorias para evitar a obesidade
- Hidratar-se bem, pois no frio temos a tendência de aumentar a diurese
- Comida leve, fracionada a cada três horas
- Exercícios físicos leves e moderados como caminhada, corrida, bicicleta, zumba, natação, hidroginástica pelo menos cinco vezes na semana com duração de 1 hora 
- Dormir bem e bem aquecido e em quantidade de horas que satisfaçam
- Evitar sobrepeso e obesidade
- Evitar estresse

INFECTOLOGISTA ESCLARECE SOBRE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA H1N1 Médico do HMCG esclarece que a maioria dos casos de gripe não serão graves

13/04/2016


Abril 2016
– Os últimos casos de morte por consequência da gripe causada pelo vírus H1N1, promoveram uma verdadeira corrida da população em direção a clínicas particulares de vacinação e obrigou o governo a antecipar a campanha anual de vacinação dos grupos de risco. Porém, o infectologista do Hospital e Maternidade Dr Christóvão da Gama, Munir Akar Ayub, informa que a vacinação previne, aproximadamente, 70% dos casos, podendo chegar a 80% entre as pessoas que são vacinadas anualmente.

“O ideal para a prevenção de qualquer doença infecciosa é o indivíduo estar bem alimentado e hidratado. Uma alimentação variada e nutritiva pode tornar  a pessoa bem mais resistente ao ataque de vírus”, informa o especialista.

Outra dica do médico é uso da álcool gel que, segundo explica, é eficaz na descontaminação  das mãos de qualquer agente viral, incluindo o vírus da gripe. Além do álcool gel, lavar as mãos regularmente também é um hábito que deve ser fortalecido.

O H1N1 é mais prejudicial entre crianças e idosos, gestantes, obesos e portadores de doenças crônicas como diabetes, asma e outras doenças pulmonares, cardiopatas e imunossuprimidos. “São sintomas idênticos aos da gripe comum, só que mais grave, seguidos de coriza, tosse seca, cefaleia, febre alta, dor muscular intensa, astenia, vermelhidão nos olhos e falta de ar mediante aos esforços. Importante reforçar que, embora alguns sintomas se assemelhem aos da dengue, a gripe é sempre acompanhada de coriza e tosse. “É importante lembrar que nem toda gripe H1N1 irá evoluir com gravidade. Muitas acabam curadas apenas com medicação caseira sintomática. Em caso de quadro mais grave, o medico é que deve avaliar. Outro detalhe é que, embora não seja frequente, algumas doenças virais como gripe podem ser acompanhadas de quadro de conjuntivite, mas sem secreção, apresentando apenas vermelhidão do globo ocular.

H1N1. O que você precisa saber sobre a Gripe Influenza.

05/04/2016

HMCG RECEBE A MAIS IMPORTANTE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE HOSPITALAR DO PAÍS

10/03/2016

Em prazo recorde de seis meses, instituição teve processos de segurança com o paciente reconhecidos

Março 2016 – O Hospital e Maternidade Dr Christovão da Gama (HMCG) acaba de ter o padrão de qualidade certificado pela mais importante certificadora de instituições hospitalares no país. “Este reconhecimento coroa nossos esforços para a excelência em saúde e nos deixa orgulhosos com a dedicação de todos nossos colaboradores no processo de atendimento do paciente, já que todos os níveis operacionais têm participação direta ou indireta no sucesso do tratamento de saúde”, diz Newton Takashima, diretor Técnico do HMCG.

A chancela de qualidade foi concedida no prazo recorde de seis meses pela Organização Nacional de Acreditação (ONA), uma entidade não governamental e sem fins lucrativos que coordena processo de certificação voltado para a qualidade dos serviços, com foco principal na segurança do paciente. “Esta conquista em curto prazo e sem apoio de consultoria externa foi possível, graças à cultura de qualidade que tem sido disseminada no HMCG há duas décadas”, afirma Mariangela Moretzsohn de Seixas, gestora de Qualidade do HMCG. Segundo explica, o prazo médio de acreditação dos hospitais pela ONA é de um ano e com apoio de consultorias contratadas. No caso do HMCG, além de metade do tempo, o trabalho foi feito pelas lideranças internas e envolveu os 1,2 mil colaboradores.

Com a certificação recebida pela ONA, o hospital passa a ter reconhecidas suas práticas que garantem passagem segura do paciente pelo hospital, em todas as etapas da prestação de serviço. Por isso, o processo de acreditação envolveu todos os colaboradores dentro de uma mecânica de engajamento de lideranças que ficaram responsáveis por consolidar as boas práticas em todos os níveis hierárquicos.
Mariangela explica que em 1996, o HMCG já havia recebido certificação de qualidade pela Associação Paulista de Medicina, com o selo CQH (Compromisso com a Qualidade Hospitalar). Desde então, a instituição nunca parou de investir em processos de melhoria da qualidade e sempre com foco no paciente. Entre os itens avaliados pela ONA estão controle de medicação, controle de risco de contaminação, troca de procedimentos, entre outras dezenas de atividades que asseguram o atendimento de qualidade ao paciente.

Dr. Jorge Moscardi é o entrevistado do Programa Show Mais

09/03/2016

pauta: Coluna Vertebral.

Assista!!!

Parabéns Mulheres pelo seu dia!

08/03/2016

HMCG firma credenciamento com o PROASA- Programa Adventista de Saúde

15/02/2016


A partir de agora os usuários poderão utilizar nossos serviços para exames laboratoriais, consultas ambulatoriais,
internações e atendimentos em Pronto Socorro Adulto  e Infantil.

FAÇA SUA PARTE, SEJA UM DOADOR DE SANGUE. A SUA DOAÇÃO PODE SALVAR ATÉ QUATRO VIDAS.

20/01/2016
FAÇA SUA PARTE, SEJA UM DOADOR.
A SUA DOAÇÃO PODE SALVAR ATÉ QUATRO VIDAS.



VOCÊ SABIA?
· Ninguém contrai doenças doando sangue.
· Todo o material da coleta é descartável e estéril.
· A cada doação são realizados exames laboratoriais para a detecção de doenças infecto-contagiosas, independente de doações anteriores.
· Os resultados dos exames são sigilosos e são entregues única e exclusivamente ao doador.
· Se necessário, o doador recebe orientações médicas na unidade onde realizou sua doação.
· O organismo compensa a quantidade de sangue doada. Pouco tempo depois, o volume de sangue será o mesmo.
· Doar sangue não vicia.
· Doar sangue não faz com que o organismo produza maior quantidade de sangue.
· Doar não faz com que o sangue "engrosse" ou "afine".
· Doar não engorda ou emagrece
QUEM PODE DOAR
A princípio, qualquer pessoa pode doar sangue, basta trazer um documento que possua foto em um de nossos postos de coleta.
Porém é importante observar algumas restrições que visam manter a saúde de quem doa e de quem recebe o sangue como:
· Estar em boas condições de saúde;
· Ter entre 18 e 65 anos;
· Ter peso igual ou superior a 50 Kg;
· Estar alimentado, aguardando 2 horas após o almoço e 1 hora após o lanche, evitando alimentação pesada;
· Ter dormido pelo menos nas últimas 24 horas;
· Estar documentado (RG ou documento equivalente com foto).
· Respeitar o intervalo para doação: Homens - 60 dias / Mulheres - 90 dias.
Local para doação:
Hemocentro São Lucas- Av. dos Andradas, 444- Vila Assunção- Santo André - São Paulo

ESPECIALISTA ALERTA PARA OS CUIDADOS REDOBRADOS COM O ‘MOSQUITO DA DENGUE’ NESTAS FÉRIAS

22/12/2015

Aedes Aegypti agora também é risco de contágio do zika vírus e chikungunya

 

Dezembro 2015 – Apesar das férias, é imprescindível que um alerta seja reforçado tanto para que vai viajar para o campo ou praia como para quem pretende permanecer na cidade: o cuidado para permanecer longe do mosquito Aedes Aegypti, um dos maiores vilões da temporada do calor associada a chuvas. E este ano o transmissor da dengue oferece perigos extras com a transmissão do zika vírus e a febre chikungunya.

A necessidade de fazer a lição de casa de manter vasos e demais recipientes livres de água limpa parada tem sido insistentemente alertada pelos veículos de comunicação e campanhas públicas do governo. Outro cuidado fundamental é o uso de repelentes, especialmente para quem pretende frequentar praias e campos.

Segundo o clínico geral do Hospital e Maternidade Dr Christovão da Gama, Richard Rosenblat, a melhor prevenção é associar o combate dos focos de criadouros do mosquito com o uso de repelentes.

De acordo com pesquisas, a cada minuto uma pessoa é contaminada com dengue no Brasil e embora alarmante, esta situação é uma realidade crescente desde os anos 80, quando várias cidades passaram a conviver com processos de desenvolvimento urbano, o que se intensificou nos últimos anos.

O calor e o excesso de umidade podem formar um ambiente propício à proliferação de bactérias e fungos, por isso a tomada de medidas básicas no dia a dia são fundamentais para evitar a reprodução do mosquito e consequentemente reduzir os índices da doença. Embora já tenham começado no Brasil os primeiros testes clínicos da vacina em humanos, a previsão é de que ela seja só passe a fazer parte do Programa Nacional de Imunizações em 2018. Enquanto isso, apenas bom senso e consciência sobre a gravidade da doença podem garantir mudanças de hábitos em favor da prevenção.

HMCG realiza Campanha Emergencial em prol das vítimas de MINAS GERAIS

16/11/2015

O Serviço Social do HMCG está mobilizando seus colaboradores e comunidade para Campanha Emergencial na arrecadação de: água, materiais de limpeza, roupas íntimas(novas) e produtos de higiene pessoal. Local de entrega: Portaria Administrativa do HMCG, av dos Andradas, s/n(altura do n. 500) até dia 19/11/15.

ABCD soma 3 mil internações por AVC de 2014 até agosto deste ano

05/11/2015

Atendimento rápido é fundamental para evitar sequelas mais graves do ‘derrame‘

O AVC (Acidente Vascular Cerebral) levou à internação de quase três mil pessoas em hospitais da Região entre janeiro de 2014 e agosto de 2015. Levantamento realizado no DataSus (Departamento de Dados do Sistema Único de Saúde) mostra que a maior parte das vítimas da doença neste período era de São Bernardo (909), cidade mais populosa do ABCD, seguida por Santo André (856) e Mauá (505). São Caetano, Diadema e Ribeirão Pires vêm em seguida, com 408, 213 e 68 pacientes, respectivamente.

A comerciária Dalva dos Santos sofreu AVC e, depois de 15 dias de internação, precisou ainda de três meses de tratamento. Foto: Andréa Iseki
A comerciária Dalva dos Santos sofreu AVC e, depois de 15 dias de internação, precisou ainda de três meses de tratamento. Foto: Andréa Iseki

Conhecido popularmente como derrame, o acidente vascular cerebral é provocado pela interrupção do fluxo de sangue em determinada área do cérebro. Uma das principais causas de morte e sequelas no mundo, a doença faz, em média, 68 mil vítimas fatais no Brasil todos os anos, de acordo com o Ministério da Saúde. A demora na busca por atendimento médico é apontada como uma das principais razões para o alto índice de mortalidade.

O neurocirurgião Jorge Moscardi, do Hospital e Maternidade Dr Christóvão da Gama, de Santo André, explica que há dois tipos de AVC. O acidente vascular isquêmico é o mais comum e acontece quando há interrupção do fluxo sanguíneo em uma artéria. No caso do AVC hemorrágico, acontece o sangramento em consequência da ruptura do vaso.

“Os fatores de risco vão desde pressão alta e tabagismo até doenças metabólicas, como colesterol elevado, e casos de histórico familiar. Quanto maior a idade, há também mais chance de ter AVC por causa do envelhecimento das artérias e das doenças degenerativas”, enumerou. Dos quase 3 mil casos de internação pela doença no ABCD, quase 80% eram de pessoas acima dos 50 anos de idade.

Moscardi alerta para os sinais da doença, que incluem paralisação ou adormecimento da face, braços ou pernas, dificuldade na fala, tontura sem causa definida, alteração na visão e dor de cabeça forte e persistente. “Os sintomas podem ser tênues e, mesmo que o paciente relute, tem de ir para o hospital. Quanto mais rápido procurar ajuda, menores serão as sequelas.”


Socorro rápido foi essencial, diz vítima

O atendimento rápido foi essencial para a comerciária Dalva Pataquini dos Santos, 53 anos. Moradora de São Bernardo, ela foi vítima de AVC em outubro de 2008. “Não fazia parte do grupo de risco, não sou diabética, não fumo, não sou sedentária. Inclusive, tinha acabado de voltar da academia quando aconteceu.”

Dalva conta que assim que entrou na cozinha de casa sentiu como se a parede estivesse se fechando e perdeu a força das pernas. Na hora, achou que se tratava de labirintite e chamou o Samu. O diagnóstico: AVC isquêmico.

Foram 15 dias de internação e três meses de tratamento para recuperar o movimento completo das pernas. Sete anos depois, a comerciária não convive com sequelas do acidente vascular, o que atribui ao atendimento imediato. “O Samu chegou 15, 20 minutos depois que chamei. A rapidez do socorro é primordial”, frisou.

Por: Rosângela Dias (rosangela@abcdmaior.com.br)


COMUNICADO IMPORTANTE SOBRE O CONVÊNIO BIOLIFE

21/10/2015

DIAGNÓSTICO PRECOCE AINDA É A MAIOR ARMA CONTRA O CÂNCER DE MAMA, AVISA MÉDICO DO HMCG.

01/10/2015

No  mês dedicado à campanha de combate à doença, inicia-se nova onda de conscientização

Apesar de campanhas mundiais de conscientização sobre exames preventivos para detectar precocemente a doença, o câncer de mama continua a apresentar taxas altas de mortalidade no País, mesmo que o sucesso dos tratamentos possa atingir sobrevida média de aproximadamente 61% após cinco anos do tratamento. As estatísticas indicam aumento da incidência do tumor tanto nos países desenvolvidos quanto nos em desenvolvimento, conforme o Instituto Nacional de Câncer (INCA). O câncer de mama é o primeiro tipo mais frequente no mundo em mulheres. No Brasil, são cerca de 50 mil novos casos por ano. Apesar de todo o avanço da medicina, o diagnóstico precoce fruto de hábitos eficazes de prevenção, como o auto-exame, rastreamento de rotina e campanhas de massa, ainda é o melhor ataque a este mal, chegando a 90% de chance de cura quando detectado em estágio inicial, contra menos de 20% nos mais avançados.

O mastologista do Hospital e Maternidade Dr. Christovão da Gama (HMCG) em Santo André, Ítalo Dutra explica que os principais fatores de risco para o câncer de mama acontecem em mulheres com idade entre 45 a 65 anos, que possuam histórico familiar, principalmente em parentes de primeiro grau que desenvolveram a doença antes da menopausa. Outros fatores preocupantes são em relação às mulheres que tiveram a primeira menstruação precoce ou a menopausa tardia, que participaram de terapias hormonais sexuais em altas doses ou que a primeira gravidez foi postergada, além de também estar associado a fatores como obesidade, hipertensão arterial, diabetes, sedentarismo, entre outros. Segundo o INCA, o câncer de mama, doença que consiste no desenvolvimento anormal das células da mama que se multiplicam repetidamente, formando um tumor maligno, é o tipo de tumor mais comum entre as mulheres, correspondendo a aproximadamente 22% dos casos.

Vale ressaltar que as formas de tratamento ao câncer de mama continuam avançando, o que proporciona cirurgias cada vez menos agressivas, drogas-alvo específicas, com substâncias mais eficazes no combate à doença. Em casos de tumor maligno, o mastologista ressalta que cada paciente possui suas peculiaridades, inclusive psicológicas, portanto, cada um terá tipos e sequências de tratamentos diferentes, sendo que a maioria dos casos ainda necessita de alguma intervenção cirúrgica. O médico lembra ainda que, apesar da crença popular de que o câncer de mama ataca apenas mulheres, os homens também são suscetíveis à doença, numa proporção menor, de aproximadamente 100 mulheres para 1 homem, por isso devem ficar ainda mais atentos, pois tanto a falta de informação quanto o preconceito podem retardar o diagnóstico, resultando em uma doença aparentemente mais agressiva.

O mastologista lembra que auto-exame, avaliação clínica periódica e a mamografia são as formas de prevenção secundária. Afirma que a primeira mamografia deve ser feita aos 35 anos, pois este exame inicial é utilizado como ponto de partida para avaliar as condições gerais da mama e possibilitar exames comparativos futuros. Em pacientes que apresentam fatores de risco, como hereditariedade, por exemplo, que chega a representar 10% dos casos, o exame de mamografia deve ser repetido todo o ano, iniciando 10 anos antes da idade em que o familiar mais jovem desenvolveu a doença. “Em alguns casos, o paciente também é encaminhado para realizar exames complementares como Ultrassonografia ou Ressonância Magnética”, afirma o especialista.

Mesmo com recursos mais avançados da medicina, o sistema de saúde pública enfrenta inúmeros problemas, como a enorme demanda e a defasagem de profissionais habilitados para trabalhar adequadamente nas regiões distantes dos grandes centros. “Apesar de o serviço público possuir profissionais de excelência, métodos diagnósticos e terapêuticos de última geração, cirurgiões mais habilidosos e todas as drogas necessárias, a demanda ainda continua muito maior que a oferta de tratamento. Outro agravante é a concentração destes recursos em poucos centros especializados”, afirma o especialista.  Ele lembra ainda que com o envelhecimento mundial da população, onde as mulheres são maioria, a prática da prevenção de doenças deve ser ainda mais incentivada por lideranças médicas e de governo, além de ressaltar que uma das poucas e mais eficazes reduções de risco é a gestação oportuna, quando acompanhada de amamentação. Outro ponto abordado, são os hábitos saudáveis de dieta balanceada, descanso suficiente, exercícios físicos regulares e controle clínico de comorbidades para uma boa saúde em geral.

Dr. Jorge Moscardi, neurologista do HMCG, em entrevista ao Programa Show+

17/08/2015


Confira entrevista do  Dr. Jorge Moscardi, neurologista do HMCG no Programa Show + com Darcio Arruda, pauta: canhotos. Exibida em 13/08.


Acesse:
http://www.tvmaisabc.com.br/programas/showmais/  ou pelo youtube:https://www.youtube.com/watch?list=PLmKsheYQ2TcJaYvPpOWF7hgDXwFmVM7HU&t=355&v=2IJdwWqj9i0

08 de agosto. Dia nacional de Combate ao Colesterol

07/08/2015




Endocrinologista afirma que é preciso insistir na mudança cultural dos  hábitos alimentares do brasileiro



Agosto 2015 – Depois de avançar consideravelmente na média de expectativa de vida, que hoje é de 74,9 anos para ambos os sexos, agora o brasileiro precisa vencer hábitos culturais considerados prejudiciais à qualidade de vida. E no Dia Nacional de Combate ao Colesterol, 8 de agosto, alguns alertas são indispensáveis para o processo de mudança.

O colesterol LDL, popularmente chamado de colesterol ruim, é o grande alvo dos médicos. Ele está entre os principais fatores das doenças do coração e, hoje em dia, atinge até mesmo crianças e adolescentes por conta do consumo excessivo de gorduras e baixa frequência de atividade física.

É justamente esta combinação de alimentação inadequada associada ao sedentarismo que torna a alta do colesterol LDL mais difícil de combater, segundo explica o endocrinologista do Hospital e Maternidade Dr Christóvão da Gama, Márcio Krakauer. “Este desequilíbrio favorece o surgimento de doenças crônicas como diabetes e hipertensão, já consideradas problema de saúde pública, o que gera prejuízos não apenas à saúde da população, mas impacto nas finanças do setor privado e público como consequência de tratamentos longos e afastamentos”, diz o médico.

É importante ressaltar que o colesterol LDL pode ter os índices elevados também por fatores genéticos que não apenas geram produção excessiva, assim como dificultam a eliminação natural da substância do organismo. Segundo o endocrinologista, a indústria farmacêutica, inclusive, já tem em pesquisa medicamentos que no futuro poderão atuar na genética do indivíduo na tentativa de tratar a disfunção.

Por enquanto, para não incluir no cardápio diário remédios para controlar o colesterol, as pessoas que não apresentam causa genética para o aumento do LDL devem insistir na adoção de hábitos saudáveis de vida que incluem alimentação balanceada, pobre em gordura e rica em frutas e verduras; evitar alimentos com gordura de origem animal e, claro, atividade física regular, especialmente as aeróbicas que auxiliam na queima de gordura. Afinal, viver mais e com saúde é muito melhor!





Julho Amarelo: o mês da prevenção às hepatites

08/07/2015

De acordo com o Ministério da Saúde, Sul e Sudeste são as áreas mais afetadas.


A hepatite é uma inflamação no fígado que é geralmente causada por infecções virais. Os modos de
transmissão variam de acordo com o tipo (A, B, C, D ou E), mas incluem sexo sem proteção e práticas
de injeção inseguras. Segundo a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), um braço da OMS (Organização Mundial de Saúde), a hepatite viral já é considerada o principal motivo de transplante
de fígado em alguns países das Américas. Dados divulgados em 2013 já estimavam mais 8
milhões de pessoas infectadas pelo tipo B da doença e cerca de 7 milhões pelo tipo C.

Por muitas vezes nem apresentarem sintomas, as hepatites podem passar despercebidas,
de modo que o paciente só descubra sua condição em estados mais avançados da doença.
Nesses casos, a inflamação pode já ter evoluído para cirrose ou até mesmo câncer no fígado.
Assim, a melhor forma de detecção precoce da doença é através de exames.

No Brasil, a vacina para a hepatite B já está disponível no SUS (Sistema Único de Saúde).
Também já estão na rede os testes para a doença.  É importante, no entanto, que haja a
conscientização da população. Por estar ligada à doenças sexualmente transmissíveis, ainda
existe muita resistência das pessoas em procurar os centros de testagens.

É importante que se entenda a importância do diagnóstico precoce desse tipo de doença
e que a criação de um tabu em torno do assunto só afasta as pessoas da detecção e do
tratamento no tempo certo.

Fonte: Revista Hospitais Brasil

INFORMATIVO CENTRO DE ESTUDOS- EDIÇÃO JUNHO 2015

24/06/2015

Aumento da pressão arterial é inimigo silencioso no inverno

01/06/2015


Médico do Hospital e Maternidade Dr Christóvão da Gama dá dicas de como evitar tais transtornos

Junho 2015 – Embora as atenções durante o inverno, quando o assunto é saúde, fiquem mais voltadas às questões respiratórias, outro vilão ronda o bem-estar das pessoas, especialmente das mais propensas a problemas cardíacos, a exemplo dos hipertensos. É que, segundo explica o cardiologista Rogério Krakauer, do Hospital e Maternidade Dr Christóvão da Gama,  e presidente da SOCESP (Sociedade de Cardiologia do Estado de SP ) Regional ABCDM, as baixas temperaturas provocam a vasoconstricção periférica, com consequente aumento da pressão arterial e espasmo dos vasos sanguíneos susceptíveis.

De acordo com o médico, aproximadamente, um terço das pessoas terão o infarto agudo do miocárdio  e morte súbita como primeira manifestação da doença, sem nenhuma pista que isso poderia ocorrer. “No frio, parece que há uma discreta elevação na prevalência dessa complicação”, afirma o cardiologista. 

As pessoas já diagnosticadas como hipertensas devem ficar mais atentas à pressão arterial durante os dias frios, pois podem descompensar e necessitar de ajustes medicamentosos. O inicio de cefaleia, popularmente chamada de dor de cabeça, cansaço generalizado, falta de ar aos esforços, alterações no sono, podem ser sintomas da elevação da pressão arterial. “Dor no peito, opressão torácica com irradiação para braço esquerdo e mandíbula, podem indicar quadro de angina, que, dentre outras causas, pode ser provocada pelo espasmo da coronária (angina vasoespástica) associado também ao frio”, explica.

 

Outra boa dica aos hipertensos é que, além de ficarem mais atentos aos sinais e sintomas, meçam com mais frequência a pressão arterial. Além disso, agasalhar-se adequadamente incluindo pés e mãos e tomar líquidos quentes como chá, sopa e leite podem auxiliar na manutenção do equilíbrio.

Também fazem parte das medidas preventivas, segundo o médico, organizar as viagens para saber sempre se haverá abrigo aquecido nos passeios. Evitar hiperalimentação e manter programa de atividades físicas e tomar as medicações regulares, além de maior controle da pressão arterial.

Campanha de HPV registra baixa Adesão

23/04/2015

Daniel Macário 

Especial para o Diário

Com baixa adesão, a vacinação contra o HPV (Papilomavírus Humano) começa a preocupar responsáveis pela Saúde do Grande ABC. A princípio, a imunização que protege contra o câncer de colo de útero teria terminado no dia 10, assim como a campanha nacional. Entretanto, com números abaixo do esperado, chegando em três municípios a menos da metade do público-alvo, a campanha foi estendida na região.

Diadema teve a menor adesão. Na cidade, há 20 mil meninas com idade entre 9 e 11 anos, mas a cobertura da primeira dose atingiu até o momento somente 15% desta população. Ao todo foram 3.074 meninas, sendo os maiores públicos adolescentes com 9 (33,5%) e 10 anos (33%). Em Santo André, a situação também é complicada. A campanha atingiu até semana passada somente 27,78% do público-alvo, número que corresponde a 3.772 meninas, entre 9 e 11 anos. A realidade é bem diferente da registrada no ano passado, quando o município imunizou 14.287 adolescentes de 11 a 13 anos na primeira fase, ou seja, 105,09% do público-alvo estimado (13.595).

A situação dos demais municípios não é diferente. Em Mauá, até o dia 10 foram aplicadas vacinas em 5.334 meninas, número que representa 50,56% da população na faixa etária da campanha, que é estimada em 10.550 pessoas.

Ribeirão Pires vacinou até ontem 46,39% (1.163 meninas), de total de 2.507. Em Rio Grande da Serra foram imunizadas até o momento 648 garotas. A meta para 2015 é de 1.216.

Já São Bernardo ficou perto de atingir o percentual desejado. O balanço da Vigilância Epidemiológica do município indica que 78,88% das meninas com 9 anos (4.229 crianças), 77,47% com 10 anos (4.329) e 41,56% com 11 anos (2.434) receberam a dose.

São Caetano foi a única cidade do Grande ABC que conseguiu atingir percentual esperado para a campanha. De acordo com a Secretaria de Saúde, no dia 17, o município bateu a meta esperada de 80% de adesão dentro da faixa etária preconizada pelo Ministério da Saúde.

Para o ginecologista do Hospital Christóvão da Gama Salomon Katz, a baixa adesão à campanha pode ser justificada pelo fato de que pais pensam estar estimulando a sexualidade das pré-adolescentes. Entretanto, ele ressalta a importância da conscientização sobre o assunto desde cedo. “Nesta idade (9 anos) muitas meninas e meninos já começam a se interessar pelo sexo. Por isso, é importante pais e escolas ressaltarem a necessidade de tomar a vacina e também sobre outros assuntos relacionados à prevenção.”

O HPV é altamente contagioso. A transmissão é feita por contato com a pele ou mucosa infectada. A principal forma de contaminação é por meio de relação sexual, mas o vírus também pode ser transmitido de mãe para filho no momento do parto.

Para os pais que ainda não levaram suas filhas para tomar a vacina, a imunização continua nas UBSs (Unidades Básicas de Saúde) de todos os municípios da região. 

16 DE ABRIL: DIA MUNDIAL DA VOZ DICAS PRÁTICAS PARA MANTER SUA VOZ SAUDÁVEL NO DIA A DIA

16/04/2015

Uma voz bem cuidada traz muitos benefícios, além de uma boa saúde. Ela pode ser uma grande aliada nas suas conquistas

Hoje comemora-se o dia mundial da voz.
A Voz é nosso cartão de visitas e tem grande impacto na constituição de nossa imagem pessoal e profissional. Através dela expressamos nossas emoções e pensamentos. É o canal pelo qual nos comunicamos com o mundo. Dados apontam que 80% da população economicamente ativa utiliza a voz como instrumento de trabalho.

Dicas para manter sua voz saudável:

- Hidrate-se!
Beba muita água e água de coco. Elas são excelentes aliadas da sua voz.

- Coma maçã 
Isso mesmo! A maçã, além de ser saudável e muito saborosa, também é uma das melhores amigas da voz. Isso porque ela tem propriedades adstringentes que limpam a região do trato vocal. 


- Mantenha uma postura alinhada
Muita gente não sabe, mas a postura correta é uma grande aliada da saúde vocal. Alinhe-se!

- Cuide das vias respiratórias
Voz é essencialmente ar, por isso é muito importante ter uma boa respiração. Limpar e hidratar as narinas com soro fisiológico é uma prática simples para melhorar a saúde vocal. A vaporização e a inalação também ajudam muito a manter o ar circulando livremente, faça uso delas!

- Faça gargarejos
A receita é caseira, mas os resultados são profissionais. Gargarejos com água morna e uma pitada de sal também são ótimos para a voz. Experimente!

- Durma bem
A cada dia surgem novas evidências da importância da boa qualidade do sono para a saúde e, para quem ainda não sabia, dormir bem também ajuda a cuidar da voz.

- Boceje
Sabe aquela vontade de bocejar quando bate uma preguiça ou sono? Acredite, além de ser muito bom para relaxar, pode ser um ótimo exercício para a saúde vocal. Então na dúvida, boceje e espreguice.

E para manter saúde vocal em dia, alerta para os inimigos da saúde vocal: Bebidas alcoólicas, drogas, cigarro, sprays e pastilhas refrescantes, balas e até mesmo comidas condimentadas podem prejudicar a saúde da voz. Então a dica é evita-los. Também é importante não abusar da voz, quando você exige mais do que a sua zona de conforto permite, sua voz sofre. Sempre que possível, não grite e mantenha um tom confortável para você. E, por fim, evite pigarrear. Este ato de ‘raspar’ as pregas vocais com frequência é agressivo para sua voz. Existem outros fatores que interferem na saúde da voz para algumas pessoas, mas não para outras.


Uma questão de saúde
Entre as causas mais frequentes de alterações na voz estão as infecções respiratórias. Elas costumam aparecer como um sintoma de gripe , por isso se
observar tosses, pigarros e alterações na voz que perdurem mais de duas semanas, procure um otorrinolaringologista.

 

 

“Segurança dos Alimentos” é o tema do Dia Mundial da Saúde 2015

07/04/2015

Alimentos não seguros estão ligados à morte de cerca de 2 milhões de pessoas por ano – incluindo muitas crianças. Os alimentos que contêm bactérias nocivas, vírus, parasitas ou substâncias químicas são responsáveis por mais de 200 doenças, que vão desde diarreia ao câncer.

As novas ameaças à segurança alimentar surgem constantemente. Alterações na produção de alimentos, distribuição e consumo; alterações no ambiente; novos e emergentes patógenos; resistência antimicrobiana – todos colocam desafios aos sistemas nacionais de segurança alimentar. Aumentos em viagens e do comércio aumentam a probabilidade da contaminação se espalhar internacionalmente.

Por tudo isso, o tema definido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para o Dia Mundial da Saúde 2015 é segurança dos alimentos.

Como o nosso abastecimento alimentar torna-se cada vez mais globalizado, a necessidade de reforçar os sistemas de segurança dos alimentos em todos os países está se tornando cada vez mais evidente. É por isso que a OMS está promovendo esforços para melhorar a segurança dos alimentos, do campo ao prato (e todo o resto) no Dia Mundial da Saúde, hoje, 7 de abril.

A OMS ajuda os países a prevenir, detectar e responder a surtos de doenças transmitidas por alimentos – em consonância com o Codex Alimentarius, uma coleção internacional de normas, diretrizes e códigos de prática que abrange os principais alimentos e processos. Juntamente com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), a OMS alerta países sobre emergências de segurança alimentar através de uma rede de informação internacional.


Cinco Chaves para uma alimentação mais segura


A segurança alimentar é uma responsabilidade partilhada. É importante trabalhar ao longo de toda a cadeia de produção de alimentos – de agricultores e fabricantes a fornecedores e consumidores. Por exemplo, a OMS Cinco divulga chaves para uma alimentação mais segura ao oferecer orientação prática para fornecedores e consumidores relacionadas à manipulação e preparação dos alimentos:

Chave 1: Mantenha limpo
Chave 2: Separe alimentos crus de cozidos
Chave 3: Cozinhe bem os alimentos
Chave 4: Mantenha os alimentos a temperaturas seguras
Chave 5: Use água potável e matérias-primas de qualidade
O Dia Mundial da Saúde 2015 é uma oportunidade para alertar as pessoas que trabalham em diferentes setores do governo, os agricultores, fabricantes, varejistas, profissionais de saúde -, bem como os consumidores – sobre a importância da segurança alimentar, e a parte cada um pode desempenhar para garantir que todos possam se sentir confiantes que a comida no seu prato é segura.


CLIMA SECO E FRIO EXIGE CUIDADOS ESPECIAIS DA PELE, AFIRMA DERMATOLOGISTA DO HMCG

07/04/2015

Algumas pessoas podem sofrer processos alérgicos pela desidratação neste época

A chegada das estações frias do ano – outono e inverno -, trazem também um clima mais seco e que requer mais atenção quanto aos cuidados com a pele. Além do sol que, apesar de não ficar tão evidente, continua a emitir seus raios agressivos, a aridez do ar também intensifica os riscos de doenças típicas do ressecamento.

O dermatologista Marcos Eiji Hayashida, do Hospital e Maternidade Dr. Christóvão da Gama (HMCG), em Santo André, dá algumas dicas que podem ajudar a manter uma pele bem cuidada. Afinal, esta é uma das partes do nosso corpo que mais sofre com a mudança do clima.

“A pele desidratada fica mais propensa a alergias, irritações, escoriações e coceiras. Por isso, o uso de hidratantes que possuam componentes como ureia, lactato de amônia e palmidrol é essencial”, afirma. Outra sugestão é optar por hidratantes hipoalergênicos em substituição àqueles formulados com fragrâncias e corantes, para eliminar os riscos de reações alérgicas. Para garantir uma pele linda e hidratada mesmo nos dias frios do inverno, basta investir nos bons hábitos de cuidados diários. “A manutenção da saúde pele independente do tipo de clima que estamos vivendo. A pele é maior órgão humano e como tal merece cuidados específicos e permanentes. Além disso, uma pele bem cuidada garante boa estética e eleva a autoestima, fundamental para o bem viver”, diz o médico.

Para proteger a pele do ressecamento é importante utilizar os cremes hidratantes após o banho, com a pele ainda úmida. No banho, controlar a duração e a temperatura da água, que não deve ser muito quente, utilizar sabonetes com pH neutro, mais próximo ao da pele, e evitar o uso de bucha vegetal ou esponjas abrasivas, fatores que removem a camada lipídica de proteção da pele e facilitam a desidratação. Além disso, o especialista alerta sobre os riscos do uso de receitas caseiras, muitas vezes inventadas a partir de frutas e plantas, sem qualquer aprovação de um profissional da área médica ou farmacêutica. Em alguns casos, a combinação errada, mesmo que de ingredientes naturais, pode causar manchas na pele ou produzir dermatite de contato, provocada por reação alérgica pelo sumo da fruta ou planta.

Segundo afirma o médico, as áreas mais ressecadas são os membros superiores e inferiores, pois possuem menor quantidade de glândulas produtoras de sebo do que a face e o tórax. É preciso atentar para escolha do hidratante correto não apenas para o tipo de pele, mas também para cada área do corpo, evitando, desta forma, o sugimento de acne. Outro ponto de atenção é a menor produção sebácea em pessoas da terceira idade. Nesta faixa etária deve-se considerar cuidados especiais com os banhos, que devem ser mornos e rápidos, além de usar mais produtos hidratantes. “Algumas alterações genéticas ou metabólicas também são causas de maior ressecamento, como pessoas alérgicas que tendem a ter a pele mais seca. Também o hipotireoidismo, uma doença metabólica, pode contribuir para a desidratação da pele”, explica o especialista.

UNHAS PODEM REVELAR PROBLEMAS OCULTOS DE SAÚDE . Dermatologista ensina como identificar possíveis alterações e como tratá-las no clima frio

06/04/2015


Um dos símbolos da vaidade feminina e também de homens mais atentos com a estética, as unhas têm importante papel na saúde humana. Apesar de serem formadas por células mortas, protegem as extremidades dos dedos e revelam informações importantes sobre a condição de saúde do indivíduo, segundo explica o dermatologista do Hospital e Maternidade Dr Christóvão da Gama, Marcos Eiji Hayashida.

O descolamento da unha de seu leito, por exemplo, pode ser sinal de hipotireoidismo. A inversão da curvatura da unha que se torna côncava, está associada à deficiência de ferro; o surgimento de pigmentação escura em faixas longitudinais pode ser manifestação da doença de Addison, doença relacionada a glândulas suprarrenais, depressões em linhas transversais aparecem em estados de desnutrição. Já unhas com metade de coloração branca e metade de coloração avermelhada são manifestação da insuficiência renal crônica.

No clima frio, assim como a pele, as unhas necessitam de atenção extra com a hidratação. Segundo o dermatologista, as unhas, assim como a pele, se beneficiam do uso de hidratantes para manutenção de seu conteúdo de água e de lipídios. Excesso de umidade também pode levar à fragilidade ungueal, além de criar ambiente favorável à proliferação de fungos, como é o caso dos pés.

“Secá-los, cuidadosamente, usar meias de algodão e trocá-las diariamente, além de deixar os calçados em local ventilado, para que não fiquem úmidos internamente, são cuidados básicos para uma boa saúde dos pés e unhas”, ensina o médico.

Mas além destes cuidados externos, as unhas merecem ser observadas com atenção, já que revelam distúrbios na saúde que podem seguir ocultos por algum tempo. Os sinais, segundo o médico, podem ser alterações na coloração da unha, na forma, descolamento da unha de seu leito (pele subjacente), surgimento de depressões e estrias, além de fragilidade e crescimento lento.

Tanto as unhas dos pés quanto as unhas das mãos podem apresentar as alterações. Porém, como o crescimento das unhas das mãos se dá em maior velocidade, as alterações podem ser identificadas primeiramente nas mãos, segundo explica o dermatologista. As alterações podem ser observadas tanto em adultos como em crianças.


ENDOCRINOLOGISTA ORIENTA PARA O CONSUMO CONSCIENTE DO CHOCOLATE POR ADULTOS E CRIANÇAS

10/03/2015

Depois das tentações do Carnaval, agora é hora de enfrentar a tentação da Páscoa: o chocolate. Quase uma unanimidade nacional, o alimento agrada a todas as idades e é a grande estrela desta época, na forma de Ovo de Páscoa. Porém, seu consumo exige cautela, como explica o endocrinologista do HMCG, Márcio Krakauer, para não desequilibrar a saúde.

"Chocolates são alimentos que têm um poder de levar à sensação de prazer muito intenso. Há muitos tipos de chocolate em relação ao nível de cacau existente na fórmula, quantidade de açúcar e gordura. Todo tipo de chocolate libera a secreção de serotonina e, em pequenas quantidades em torno de 50g, este efeito já pode ser sentido de imediato", explica o médico.

Porém, o especialista lembra que trata-se de um alimento muito calórico e que, portanto, deve ser consumido em pequenas porções. Segundo o o médico, o consumo diário de chocolate deve ser evitado, pois pode estimular a compulsão.

Entre as dezenas de opções de Ovos de Páscoa e outras apresentações de receitas de chocolate nesta época, os diet e light parecem seduzir com a promessa de zero açúcar e menos gordura. Porém, eles também devem estar sob vigilância, especialmente por pessoas portadoras do diabetes. "Não há nenhum alimento totalmente liberado para portadores de diabetes e para os não-portadores. Tudo pode ser consumido com moderação. Recomendo que nunca coma uma ovo inteiro, mas sim, divida em pequenas porções diárias", orienta Krakauer.

O médico confirma que as versões light realmente possuem menos gordura e calorias, porém, ainda assim, o volume calórico final pode ser muito elevado. Portanto, o que deve prevalecer é o controle de se consumir porções fracionadas em pequenos pedaços que não ultrapassem 50g por dia.

Mais difícil do que controlar o consumo de chocolate é convencer as crianças de comer apenas pequenas porções. Mas esta tarefa é necessária, já que o Brasil tem avançado em ritmo acelerado em casos de obesidade infantil e, por consequência, com o diabetes Tipo 2 em crianças e adolescentes.

"Negociação é a palavra-chave. Trocas, informação e não proibir, mas limitar o consumo, para conter o excesso. Assim, será possível saborear de forma mais inteligente essa maravilha da humanidade", orienta o endocrinologista.​

MÉDICO DESTACA A IMPORTÂNCIA DE TESTAR O “FÔLEGO” DOS FOLIÕES ANTES DO CARNAVAL

10/02/2015







Clínico Geral do Hospital e Maternidade Dr Christóvão da Gama alerta sobre condicionamento físico






Faltam poucos dias para a maior festa popular do Brasil, o Carnaval. E às vésperas dos quatro dias de brinca-
deira, como será que anda a saúde dos foliões? O clínico geral Richard Rosenblat, do HMCG, alerta que para quem não abre mão de participar do Carnaval, é importante que o condicionamento físico esteja devidamente testado.

“Esta é uma festa que coincide com a estação mais quente do ano e, portanto, coloca as pessoas em estresse físico. Já os ingredientes típicos do Carnaval são dança e bebida alcoólica, apreciadas em ambientes quentes e tumultuados que adicionam elementos de risco para a saúde dos foliões”, lembra o médico.

Segundo o clínico geral, se for possível, o ideal é que as pessoas que irão participar ativamente, principalmente os que têm idade acima de 40 anos, submetam-se a alguns testes básicos como eletrocardiograma, avaliem a pressão arterial e certifiquem-se de não estarem com nenhum tipo de alteração de saúde que possa provocar vertigens súbitas, a exemplo do diabetes. “Estas avaliações são rápidas e podem evitar que o folião submeta-se a exageros que possam abreviar os dias de festa”, avisa doutor Rosenblat.

Alimentar-se bem e sem intervalos muito longos é primordial para antes e durante o Carnaval. Os alimentos de fácil digestão como os carboidratos (arroz, macarrão, pães) são os mais recomendados. As barrinhas de cereais também são ótima opção e podem ser levadas para as festas, para garantir dose extra de energia. Ingerir muito líquido antes, durante e depois da folia também faz parte das recomendações, com preferência à água e sucos. “A bebida alcoólica pode ser ingerida com moderação e sua ingestão deve ser alternada com alimentos e líquidos não alcoólicos, para que o corpo não entre em estresse”, informa.  

Crianças – De maneira geral, a orientação é que os foliões não habituados a atividades exaustivas devem respeitar os próprios limites. Para os pais, vale lembrar que os cuidados com as crianças são os mesmos que para os adultos e recomenda-se deixar que eles tenham um descanso adequado, especialmente nos intervalos entre uma atividade e outra. O sono é ainda mais essencial nestes momentos como efeito reparador do organismo.



De acordo com o especialista, os pés, assim como em qualquer atividade física, são os que mais sofrem com as horas de sacolejos, pois são o maior ponto de impacto com o chão. “O ideal é evitar ficar descalço ou de sandálias. A preferência são calçados leves, confortáveis e fechados para evitar se machucar e antecipar o fim da festa. Uma boa opção é calçar tênis que foram amaciados com o uso”, diz o médico. Seguindo as boas dicas e usando o bom senso, agora é só aproveitar a alegria contagiante do Carnaval!



ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO REQUER NOVO OLHAR SOBRE PREVENÇÃO DE DOENÇAS LIGADAS AO TEMPO

08/12/2014

Na área ortopédica, aumentam os casos ligados a desgastes articulares e de coluna

A longevidade do brasileiro que elevou a média de vida para 73,9 anos contra os 62,7 anos registrados nos anos 80, exige novas atenções com a saúde para que possa ser aproveitada. Vivendo mais, certamente as pessoas terão contato com problemas de saúde antes desconhecidos por serem tipicamente relacionados ao tempo de vida. Entre eles estão as falhas mentais, a exemplo do Mal de Alzheimer, ou as motoras como os problemas relacionados a questões ortopédicas. Segundo dados do Ministério da Saúde, nos últimos cinco anos o número das chamadas “fraturas de fragilidade” em idosos, associadas à osteoporose e outras doenças ósseas, aumentou em quase 30%.

“As principais causas para o aumento dos problemas ortopédicos em idosos são a falta de prevenção e as deficiências na prestação de serviços, que não acompanham o avanço do envelhecimento da população”, afirma Leonardo Ribeiro, ortopedista do Hospital e Maternidade Dr. Christóvão da Gama. E é preciso muita atenção, pois de acordo com dados do IBGE, até 2030 o grupo de idosos será maior que o de crianças e em 2055 é previsto que o total de idosos seja maior que a de jovens com até 29 anos.

Segundo o especialista, à medida que os anos passam, existe uma perda natural de massa óssea causada pelo envelhecimento, afetando principalmente os joelhos, tornozelos, ombros e coluna. Por isso, o acompanhamento por um especialista deve começar por volta dos 40 anos, quando os estudos apontam para o início da perda de massa óssea, e no caso das mulheres a atenção deve ser redobrada após a menopausa. “Quanto antes se inicia exames preventivos, aumenta a chance de se avaliar o ritmo da perda óssea assim como as consequências, a exemplo da osteoporose, diminuindo o risco de fraturas”, alerta o médico. Além dos cuidados com a saúde, é importante ressaltar que muitos destes acidentes acontecem dentro de casa, portanto, adaptar os ambientes para o idoso é fundamental para prevenir quedas. Evitar o uso de tapetes, utilizar corrimão nos corredores, nas escadas e no banheiro, optar por pisos menos escorregadios, manter uma luz noturna na casa entre outros cuidados, são essenciais para impedir o mais sério e frequente acidente doméstico, principal causa de morte acidental em pessoas acima de 65 anos.

Outros problemas ligados ao desgaste de articulações ou de coluna também aumentam a lista de problemas de saúde envolvendo a ortopedia. “Não há dúvida que em países como o Brasil, onde a população está envelhecendo, os casos de problemas ligados a ortopedia cresçam, afinal quanto mais tempo nós vivemos, mais estamos suscetíveis a acidentes e a doenças ligadas à velhice”, afirma o especialista. Protagonista dos problemas ortopédicos, as quedas costumam atingir um a cada três idosos e deixam sequelas que interferem na qualidade de vida. “Apesar do avanço da medicina nas cirurgias e fisioterapia, além do desenvolvimento de novas drogas e exames que têm permitido um diagnóstico mais preciso, a melhor forma de evitar estas morbidades é a prevenção. Exercícios físicos regulares, boa alimentação e o acesso a sistemas de saúde, também podem evitar ou minimizar grande parte das doenças e traumas ortopédicos", afirma o doutor. 



O HMCG iniciou atendimento aos beneficiários da BIOLIFE SAÚDE.

04/12/2014
A Biolife Saúde é uma empresa de assistência médica privada, com sede administrativa na cidade
de São Caetano do Sul , e área de atuação nas regiões do ABCD.
· Planos Autorizados e respectivas condições de atendimento:

Plano Ouro I, II, III, IV e V – Padrão Apartamento – Pessoas Jurídicas e Físicas
Hospitalar (Pronto Socorro, Internações clínicas e cirúrgicas) + Ambulatorial + Obstetrícia.

Plano Prata I, II, III, IV e V  e Plano Diamante I, II, III, IV e V– Padrão Enfermaria – Pessoas Jurídicas e Físicas
Hospitalar (Pronto Socorro, Internações clínicas e cirúrgicas) + Ambulatorial + Obstetrícia.


Plano Bronze I, II, III, IV e V – Somente Ambulatório – Pessoas Jurídicas
Atendimento Ambulatorial.


Para mais informações consulte a Operadora.

Atendimento ao convênio Mapfre

03/11/2014


Informamos que o HMCG está inciando atendimento aos beneficiários da MAPFRE SAÚDE conforme informações abaixo:

 


 

  • Condição de atendimentos – Pronto Socorro/Urgência/Emergência/Internações clínicas e cirúrgicas.

 

  • Planos Autorizados –  EXCLUSIVO E PLENO

Homens são o Alvo da Campanha "Novembro Azul"

04/11/2014


Objetivo é conscientizar sobre o exame preventivo do câncer de próstata


Depois do Outubro Rosa, tradicional alerta sobre a prevenção do câncer mama, agora é a vez do Novembro Azul. Ambas campanhas de mobilização nacional visam conscientizar quanto à necessidade de exames preventivos contra o câncer. No caso do Novembro Azul, o alvo são os homens e um velho vilão: o câncer de próstata, o segundo mais comum entre o sexo masculino, atrás apenas do tumor de pele. Segundo o urologista Alexandre Rodrigues, do HMCG, o câncer de próstata é um tumor maligno que ocorre quando há uma multiplicação exagerada e descontrolada das células da próstata. O Instituto Nacional do Câncer (INCA) estimou que, apenas em 2012, ocorreram mais de 60 mil novos casos no Brasil.

O consenso médico é de que, a partir dos 45 anos, os homens submetam-se a exames específicos com urologista. Segundo Rodrigues, a arma mais importante contra o câncer de próstata é o diagnóstico precoce, pois quanto mais cedo ele é descoberto, maiores são as chances de cura. Outra importante razão para que a visita ao urologista seja incluída na rotina dos homens é que, na maioria dos casos deste câncer, não ocorre nenhum sintoma específico, sendo comum o paciente sentir algum sintoma quando o tumor já está em estágio avançado e com chances mínimas de cura.

Segundo o médico, a suspeita de câncer de próstata ocorre através de alterações no toque retal, realizado na consulta urológica, ou no exame de sangue chamado PSA (Antígeno Prostático Específico). Porém, para o diagnóstico definitivo, é necessária uma biópsia da próstata. Quando confirmada a doença, o tratamento dependerá das características clínicas do paciente e, principalmente, do estágio da doença. “Nos casos iniciais, podemos realizar cirurgia de retirada de toda a próstata, radioterapia ou braquiterapia, tipo de radioterapia realizada dentro da próstata, com altos índices de cura”, informa o urologista. 


Diagnóstico precoce ainda é a maior arma contra o câncer de mama, avisa médico do HMCG.

08/10/2014

No  mês dedicado à campanha de combate à doença, inicia-se nova onda de conscientização

Apesar de campanhas mundiais de conscientização sobre exames preventivos para detectar precocemente a doença, o câncer de mama continua a apresentar taxas altas de mortalidade no País, mesmo que o sucesso dos tratamentos possa atingir sobrevida média de aproximadamente 61% após cinco anos do tratamento. As estatísticas indicam aumento da incidência do tumor tanto nos países desenvolvidos quanto nos em desenvolvimento, conforme o Instituto Nacional de Câncer (INCA). O câncer de mama é o primeiro tipo mais frequente no mundo em mulheres. No Brasil, são cerca de 50 mil novos casos por ano. Apesar de todo o avanço da medicina, o diagnóstico precoce fruto de hábitos eficazes de prevenção, como o auto-exame, rastreamento de rotina e campanhas de massa, ainda é o melhor ataque a este mal, chegando a 90% de chance de cura quando detectado em estágio inicial, contra menos de 20% nos mais avançados.

O mastologista do Hospital e Maternidade Dr. Christovão da Gama (HMCG) em Santo André, Ítalo Dutra explica que os principais fatores de risco para o câncer de mama acontecem em mulheres com idade entre 45 a 65 anos, que possuam histórico familiar, principalmente em parentes de primeiro grau que desenvolveram a doença antes da menopausa. Outros fatores preocupantes são em relação às mulheres que tiveram a primeira menstruação precoce ou a menopausa tardia, que participaram de terapias hormonais sexuais em altas doses ou que a primeira gravidez foi postergada, além de também estar associado a fatores como obesidade, hipertensão arterial, diabetes, sedentarismo, entre outros. Segundo o INCA, o câncer de mama, doença que consiste no desenvolvimento anormal das células da mama que se multiplicam repetidamente, formando um tumor maligno, é o tipo de tumor mais comum entre as mulheres, correspondendo a aproximadamente 22% dos casos.

Vale ressaltar que as formas de tratamento ao câncer de mama continuam avançando, o que proporciona cirurgias cada vez menos agressivas, drogas-alvo específicas, com substâncias mais eficazes no combate à doença. Em casos de tumor maligno, o mastologista ressalta que cada paciente possui suas peculiaridades, inclusive psicológicas, portanto, cada um terá tipos e sequências de tratamentos diferentes, sendo que a maioria dos casos ainda necessita de alguma intervenção cirúrgica. O médico lembra ainda que, apesar da crença popular de que o câncer de mama ataca apenas mulheres, os homens também são suscetíveis à doença, numa proporção menor, de aproximadamente 100 mulheres para 1 homem, por isso devem ficar ainda mais atentos, pois tanto a falta de informação quanto o preconceito podem retardar o diagnóstico, resultando em uma doença aparentemente mais agressiva.

O mastologista lembra que auto-exame, avaliação clínica periódica e a mamografia são as formas de prevenção secundária. Afirma que a primeira mamografia deve ser feita aos 35 anos, pois este exame inicial é utilizado como ponto de partida para avaliar as condições gerais da mama e possibilitar exames comparativos futuros. Em pacientes que apresentam fatores de risco, como hereditariedade, por exemplo, que chega a representar 10% dos casos, o exame de mamografia deve ser repetido todo o ano, iniciando 10 anos antes da idade em que o familiar mais jovem desenvolveu a doença. “Em alguns casos, o paciente também é encaminhado para realizar exames complementares como Ultrassonografia ou Ressonância Magnética”, afirma o especialista.

Mesmo com recursos mais avançados da medicina, o sistema de saúde pública enfrenta inúmeros problemas, como a enorme demanda e a defasagem de profissionais habilitados para trabalhar adequadamente nas regiões distantes dos grandes centros. “Apesar de o serviço público possuir profissionais de excelência, métodos diagnósticos e terapêuticos de última geração, cirurgiões mais habilidosos e todas as drogas necessárias, a demanda ainda continua muito maior que a oferta de tratamento. Outro agravante é a concentração destes recursos em poucos centros especializados”, afirma o especialista.  Ele lembra ainda que com o envelhecimento mundial da população, onde as mulheres são maioria, a prática da prevenção de doenças deve ser ainda mais incentivada por lideranças médicas e de governo, além de ressaltar que uma das poucas e mais eficazes reduções de risco é a gestação oportuna, quando acompanhada de amamentação. Outro ponto abordado, são os hábitos saudáveis de dieta balanceada, descanso suficiente, exercícios físicos regulares e controle clínico de comorbidades para uma boa saúde em geral.


Na diferença somos todos iguais.

08/10/2014




HMCG completa 60 anos com tecnologia e modernas instalações

30/09/2014

Últimos anos foram pautas de amplas reformas e avanços tecnológicos

 

Setembro 2014 – Uma das mais tradicionais instituições de saúde da região do ABC completa 60 anos neste mês. Seguindo a tradição da família, o médico Celso Caçapava Gama, filho de Christóvão da Gama, um dos primeiros clínicos de Santo André, inaugurou em 1954  a Casa de Saúde e Maternidade São Christóvão, com 40 leitos, que mais tarde, em 1960,  passou para  Hospital e Maternidade Dr. Christóvão da Gama (HMCG). Ao longo de seis décadas, o Hospital venceu grandes batalhas em nome da saúde e hoje figura como instituição moderna, atualizada em equipamentos, instalações e referência em atendimento médico-hospitalar para milhares de clientes atendidos mensalmente tanto em consultas quanto em internações.

Para manter-se competitivo e adequado às necessidades de atendimento, desde 2010 o Hospital ingressou num amplo projeto de expansão e atualização. A ampliação somou novos 10 mil m2 de área construída, totalizando, em 2012,  17.700 m2. A nova estrutura  comporta seis andares, onde há atendimento das áreas de internação e unidades de terapia intensiva adulto, pediátrica e neonatal, e o mais moderno pronto socorro geral do ABC, além de dois subsolos. Com a expansão, foi possível garantir maior comodidade e conforto aos pacientes. O projeto também priorizou o conceito de sustentabilidade aliado a mais moderna infraestrutura e tecnologia.

Ao chegar aos 60 anos de atividade, o HMCG é motivo de orgulho também por, entre tantos fechamentos de operações hospitalares na região, destacar-se como um dos poucos que não só manteve as portas abertas como também promoveu importantes melhorias para o atendimento médico-hospitalar aos usuários.

Como incremento dos investimentos em modernização, o Hospital também recebeu importantes recursos destinados a novos serviços que envolvem tecnologia de ponta, a exemplo do serviço de Ressonância Magnética, iniciado ano passado, e inédito entre os hospitais da região. A novidade foi viabilizada com a aquisição do equipamento Phillips Ingenia de 3 Tesla, que permite a realização do exame em menor tempo que os equipamentos convencionais e com imagens com maior grau de resolução, gerando menos repetições de exames. Além do arco de abertura maior nas extremidades e comprimento curto, que beneficia pacientes claustrofóbicos.

Dentro da mesma estratégia, a instituição também investiu em avançado serviço de Hemodinâmica. A tecnologia permite uma grande variedade de intervenções, combinando um amplo campo de visão com detector plano de alta resolução e ferramentas avançadas para aperfeiçoar o diagnóstico e tratamentos em 3D de doenças de alta complexidade. A iniciativa permite intervenções menos invasivas e com menor risco ao paciente. O serviço funciona 24h e conta com uma equipe especializada não só na área da cirurgia vascular, cardiologia e neurologia, que acompanha o paciente durante o procedimento. 

Os próximos anos serão pautados por uma gestão profissional e um planejamento de longo prazo para  que o HMCG se mantenha como referência de qualidade médico-hospitalar. Para isso, investimentos em pessoas, infraestrutura física, tecnológica e um corpo clínico renomado não poderão deixar de fazer parte do futuro da Instituição.


Especialidade de Infectologia

18/09/2014


A partir de 19/09/2014, a especialidade de Infectologia passará a fazer seus atendimentos  em novo local:
Clínica Cirúrgica- Av. dos Andradas, 488

Central de Agendamento 4993 3773

DIABETES É A DOENÇAS CRÔNICA QUE CRESCE NO MUNDO TODO

28/08/2014

CAMPANHAS DE EDUCAÇÃO SÃO MELHORES ALIADAS NA PREVENÇÃO

Avanços socioeconômicos pautam estilo de vida para crescimento do número de casos



Segundo o endocrinologista do Hospital e Maternidade Dr. Christóvão da Gama (HMCG) e presidente da Associação de Diabetes do ABC (ADIABC), Márcio Krakauer, a educação é uma das aliadas na prevenção e no tratamento desta doença que cresce no mundo todo.

“Ano passado, a pesquisa da Vigitel, realizada pelo Ministério da Saúde em parceria com a USP, trouxe um dado animador quanto ao crescimento da obesidade no Brasil, que se mostrou  sem avanço após muitos anos de alta consecutiva”, diz o médico. Segundo ele, um dos fatores que contribuíram para este resultado é o aumento das campanhas de prevenção do diabetes seguidas de ampla divulgação na mídia.

Estima-se que no Brasil entre 12% e 13% da população apresentem algum nível de alteração do metabolismo da glicose, fator que leva ao diagnóstico do diabetes. No ABC, onde está localizada a ADIABC, esta proporção se repete. De acordo com o especialista, o desenvolvimento socioeconômico está diretamente ligado aos fatores de avanço do diabetes, porque quanto maior o poder aquisitivo maior o acesso a alimentos industrializados e de alto valor calórico, em detrimento de alimentos ricos em fibra.

Além da alimentação de baixa qualidade nutricional, explica o endocrinologista, a inatividade física e o estresse reforçam a prevalecência da doença. Estas características, no entanto, são bem comuns nas cidades mais desenvolvidas. Por conta disso, pesquisa do Ministério da Saúde apontou São Paulo (9,3%), Curitiba (8,4%), Natal (8%) e Porto Alegre (8%) como as capitais com os maiores índices de crescimento dos casos da doença entre 2006 e 2012.

“O estilo de vida dos grandes centros urbanos, certamente colaboram para o surgimento de doenças crônicas, com destaque para o diabetes”, diz o médico. Ele detalha que o grupo de risco para desenvolver a doença estão pessoas com idade acima dos 40 anos, obesas, com gordura abdominal, portadores de hipertensão, fumantes, sedentários, mulheres tiveram bebês com peso acima de quatro quilos, e predisposição genética. “Porém, 60% das pessoas com estas características podem evitar a doença quando adotam hábitos de prevenção”, avisa o médico.

Fome emocional é camuflagem de acúmulos emocionais.

08/08/2014

 Comportamento silencioso pode levar à obesidade e consequências graves, como a bulimia

Sabe aquela sensação de vazio no estômago, mas sem que esteja ligada à necessidade de alimentar-se? O nome disso é fome emocional e nada tem a ver com a rotina saudável das refeições, causando, na maioria das vezes, sobrepeso e até obesidade. Segundo a nutricionista Vanessa T. Freire do Nascimento , do Hospital e Maternidade Dr. Christóvão da Gama, normalmente essa fome aparece repentinamente e com a sensação de querer comer algo, mas sem clareza de qual alimento se deseja. “Neste momento, a pessoa acaba optando por alimentos mais calóricos ricos em gordura e açúcar, com o pensamento de que esses alimentos trarão o prazer idealizado”, explica a nutricionista.

Outro exemplo de como a fome emocional pode se manifestar, é quando o indivíduo abre a geladeira sem motivo certo e, se algum alimento chama sua atenção, ele consome. Caso contrário ele continua com a sensação de que precisa comer algo e não sabe especificamente o que é. Como a fome emocional é uma questão psicológica, é importante se atentar a determinados sentimentos ligados à frustração e estresse.

Outra característica da fome emocional é a chamada gula, que também se manifesta pela vontade contínua de comer algo mesmo estando satisfeito após a refeição. “Em um grande desjejum como almoço ou jantar, o indivíduo acaba  fazendo a mesma refeição duas vezes mesmo tendo ingerido o suficiente para suprir suas necessidades físicas, deixando assim o lado emocional dominar”

Segundo explica a nutricionista, embora haja maior incidência entre as mulheres, a fome emocional pode atingir ambos os sexos, principalmente na fase da adolescência até adultos jovens. Os motivos mais comuns são autoestima baixa, estresse, angústia, tristeza entre outros sentimentos. As dietas muito restritivas também se tornam alvo fácil para a fome emocional, já que geram ansiedade. Entre as mulheres, a TPM (Tensão Pré-Menstrual) pode ocasionar uma fome emocional sazonal, já que a mulher fica emocionalmente mais frágil, com maior irritabilidade, e acaba se refugiando em alguns alimentos, principalmente os doces.

Como se trata de um transtorno silencioso e que apresentará as consequências a médio e longo prazo, a fome emocional tem como resultado previsível sérios danos à saúde como obesidade, hipertensão, diabetes, dislipidemia, entre outros. “O principal dano mental neste caso, será a culpa, já que a pessoa tenta suprir seu problema emocional com o consumo exagerado de alimentos. Como num processo de contra-ataque, outros transtornos alimentares podem surgir, a exemplo da bulimia e distorção da autoimagem”, explica a profissional.

O tratamento deve ser com equipe multidisciplinar, envolvendo psicólogos, endocrinologistas e nutricionistas, para um resultado eficaz. Mas o primeiro passo é a pessoa se perceber vítima da fome emocional. Um profissional de nutrição pode ajudar a distinguir a sensação de fome fisiológica da fome emocional. “Neste processo de descobertas, o profissional pode ajudar a pessoa a fazer melhores escolhas e trocar as guloseimas por alimentos saborosos e mais saudáveis”. Alimentos ricos em triptofano como leite, iogurte, banana, nozes, auxiliam na produção de neurotransmissores que trazem sensação de prazer e bom humor”, ensina.

 

ALIMENTOS RICOS EM TRIPTOFANO E PRECURSORES DE SEROTONINA

Ácido Fólico

Encontrado nas folhas de cor verde escuro, feijão branco, laranja, aspargo, couve de Bruxelas, maçã e soja.

Vitamina B6

Encontrada amplamente em alimentos. A carne e o peixe são boas fontes, assim como legumes, verduras e cereais integrais.

Magnésio

Encontrado em alimentos como o tofu, soja, caju, tomate, salmão, espinafre, aveia e arroz integral.

Cálcio

Encontrado em leite e derivados do leite, verduras verde escuras, gergelim, algas, amêndoas e leguminosas.

Dicas:

Comer grande quantidade de verduras antes das refeições e alimentar-se de 3h em