Voltar para home

29 DE AGOSTO - DIA NACIONAL DE COMBATE AO FUMO

Data: 29/08/2018
Mídia: Release

Por que parar de fumar?

Sim, é difícil para de fumar. A química presente no cigarro, principalmente a nicotina, causa dependência, e os sintomas da abstinência faz com que muitos desistam da meta de largar o cigarro. 
Mas sim, é possível parar de fumar, tanto que as pesquisas vêm registrando redução de números relacionados ao tabagismo. Embora ainda existam cerca de 20 milhões de fumantes no Brasil, o Ministério da Saúde aponta que, entre 2006 e 2017, houve queda de 36% do total de pessoas com hábito de fumar. 
A Organização Mundial da Saúde (OMS) aponta 6 milhões de mortes ao ano relacionadas à dependência do cigarro. No Brasil, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), são 200 mil mortes. 
O tabagismo, aliás, agrava ou provoca vários tipos de doença (AVC, gangrena, diabetes, hipertensão arterial, trombose, entre outras), em especial ao câncer, sendo responsável por cerca de 30% das mortes provocadas pela doença. Especificamente com o câncer de pulmão, o cigarro faz parte do histórico de 90% dos pacientes, e anualmente, 28 mil novos casos são registrados. 

Suporte 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) reconhece o tabagismo como epidemia. Por isso, existem cada vez mais recursos para quem decide abandonar o vício, de aplicativos de celular que mostram a economia de saúde e de dinheiro quando decide-se parar de fumar, a programas de saúde direcionados a fumantes. 
Se você é fumante e precisa de um empurrão para vencer a dependência do cigarro, veja todos os benefícios que seu organismo receberá, segundo a American Cancer Society: 

Como seu organismo reage quando você para de fumar

- Após 20 minutos:
a pressão arterial e os batimentos cardíacos voltam ao normal, e a temperatura dos pés e mãos se eleva. 

- Após 2 horas: não há mais nicotina circulando no sangue 

- Após 8 horas: diminui a quantidade de monóxido de carbono e a oxigenação do sangue volta ao normal

- Após 12 a 24 horas:
a função pulmonar melhora, com redução dos riscos de um ataque cardíaco 

- Após 2 dias: há melhora do olfato e do paladar 

- Após 2 a 3 semanas: os brônquios começam a funcionar melhor e a limpar os resíduos deixados pelo fumo nas vias respiratórias 

- Após 2 meses: há melhora de condicionamento físico, respiração e circulação sanguínea

- Após 6 meses: redução de tosse, congestão nasal, cansaço, falta de ar e risco de infecções respiratórias 

- Após 1 ano: os riscos de infarto do miocárdio e a morte por ataque cardíaco diminuem pela metade

- Após 5 anos: redução pela metade do risco de desenvolver câncer de pulmão, boca, garganta e esôfago. Risco de AVC passa a ser equivalente a de uma pessoa que não fumou 

- Após 10 anos: risco de desenvolver câncer de pulmão semelhante a de quem não fumou 

- Após 15 anos: risco de infarto semelhante a de quem nunca fumou